Precisamos falar de conteúdo!

A internet nos mostra cada vez mais que conteúdo é um dos pilares para se manter vivo no mundo online. Um bom conteúdo traz mais clientes, mais pessoas interessadas no que você tem a oferecer e, consequentemente, aumenta suas vendas e visibilidade.

Conteúdo e conteúdo. Muito do que se tem dito e feito hoje na internet gira em torno dessa palavrinha mágica. Seja em redes sociais ou num blog, cada vez mais é preciso falar a respeito desse assunto que domina o mundo do WWW.

Isso não é pra menos. Todo esse burburinho tem um motivo muito lógico: conteúdo é presente e o futuro da internet. Se nos primeiros anos a internet era limitada em publicações de grandes portais, que você consumia se tivesse ou não interesse, hoje, com as redes sociais,  você passou a ter a possibilidade de gerar essas postagens de seu interesse e acompanhar outros criadores de conteúdo . Essa opção fez com que, cada vez mais, o que e para quem é postado seja muito importante.

Por isso que precisamos falar de conteúdo

Se o presente e futuro da internet encontra-se no que se é produzido, falado, divulgado, então é preciso falar sobre.

Estamos num mundo cada vez mais rápido, onde as coisas mudam em um piscar de olhos. Logo, é preciso ser relevante. É preciso estar presente e apresentar conteúdo importante para quem te acompanha – ou sua vida online poderá passar a respirar por aparelhos em breve.

Vale lembrar que o que você gera, enquanto empresa, principalmente, tem que ter ligação com o que o seu público quer ver. Você precisa gerar o conteúdo que o seu público tem interesse, para virar um ciclo contínuo de interesse e engajamento.

Sem quem veja e se interesse pelo que você fala, perde um pouco do sentido de falar. É um dos princípios básicos de qualquer comunicação.

Claro que você não pode começar algo hoje e querer um retorno de milhares de visualizações. Não estou dizendo que é impossível acontecer, mas é preciso manter os pés no chão e fazer as coisas com calma e foco. Quanto mais conteúdo você gerar, maior será o aproveitamento e retorno a longo prazo.

Fé no que você tem a oferecer

Acho que é esse o grande trunfo de quem gera conteúdo para internet hoje: acreditar naquilo que você oferece a seu público. A gente vê muita coisa ruim? Sim! Mas isso se vê em todo lugar, a internet só faz isso intensificar. Porém, a partir do momento que você acredita e demonstra por A + B que o que você diz é importante, as pessoas vão te procurar. Isso é uma nova forma de falar da lei do retorno.

Paciência também é importante, por mais que seja difícil nos dias de hoje. Nesse mundo de gerar conteúdo para web, paciência e perseverança são dois requisitos fundamentais. É com tempo e dedicação que se faz uma boa audiência. Seja em redes sociais, seja em blog, seja em vídeos no Youtube.

Porém, se o que você diz faz sentido para quem lê, o retorno vem. Pode acreditar: o [seu] conteúdo tem um poder que talvez você nem imagine.

Coworking: nova modalidade de trabalho

Coworking: nova modalidade de trabalho

Com o aumento das startups e autônomos, o coworking vem chamado mais atenção e pode até ser considerado como a modalidade de trabalho do futuro para muitos.

Num mundo onde as startups ganham cada vez mais destaques, que o home office começa a ser mais difundindo entre as empresas, o coworking vem ganhando seu espaço!

Agora, se você se pergunta o que é ou nunca ouviu falar de coworking, já vai anotando no seu caderninho (ou bloco de notas do celular, afinal, 2018, né?!). Esse provavelmente é um nome que ainda vai ser muito divulgado. Ainda mais considerando que sua procura aumenta cada dia mais.

E o que é coworking?!

Coworking é um espaço compartilhado. Um local onde várias empresas ou autônomos dividem o espaço (internet, mesas, mobiliário, secretárias e até o cafezinho) de trabalho. Na raiz da palavra: “co” vem de cooperação e “working”, no inglês, trabalho.

Em um escritório de coworking, você encontra vários segmentos empresariais, logo, também abre as possibilidades para aumentar sua rede de networking.

É benéfico para todos, pois reduz os custos de quem não consegue bancar um escritório sozinho e lhe dá oportunidade de conhecer novas pessoas, empresas e oportunidades de negócios.

Por conta de todos esses benefícios, muitas empresas têm adotado essa modalidade de trabalho. O que aumenta a procura e criação desses espaços.

Trabalho do futuro?!

Há uma grande chance do coworking se tornar o trabalho do futuro, ainda mais quando pensamos em como o número de autônomos tem crescido no Brasil. Talvez por isso que a quantidade de escritórios dessa modalidade tem crescido e sendo mais procurada. Inclusive, sendo motivo de investimento para grandes nomes empresariais e sólidos, como o Itaú.

Claro que não há como prever o futuro e, da mesma forma que ontem pouco se ouvia falar a respeito de coworking, podemos ter uma reviravolta e tudo voltar ao que era antes. Mas é fato que a modalidade vem crescendo consideravelmente, até pelo que já foi apontado: o crescente número de autônomos no país.

O fato é que temos muito mais motivos para acreditar no futuro do coworking, como uma realidade próxima, do que o contrário. Pode ser que o boom da modalidade reduza com o passar do tempo, mas dificilmente deixará de existir.

Enquanto isso, ficamos de olho no impacto (tanto positivo quanto negativo) que isso pode trazer para o mercado. Até onde temos percebido, o positivo está ganhando!

O trabalho diário e contínuo com o marketing digital

O trabalho contínuo e diário com o Marketing Digital

Como funciona o trabalho diário do marketing digital? A paciência de um trabalho que não pode parar por não conseguir resultados imediatos.

Há alguns dias, nós falamos aqui sobre por que usar o marketing digital na sua empresa. Caso não tenha visto ainda, vale dar uma pausa e passar lá pra pegar alguns conceitos e ideias a respeito. Hoje, vamos comentar o quanto o Marketing Digital é um trabalho diário e contínuo.

Citamos no outro texto, que o marketing digital se trata de um conjunto de estratégias usadas para alavancar seu negócio por meio da internet. Uma dessas estratégias, por exemplo, foi o SEO (Search Engine Optimization). O SEO é uma ferramenta que você usa para alavancar sua posição no Google. E o que isso significa?! Se você começa a trabalhar com SEO de forma assertiva, a longo prazo, a tendência é que seu site/negócio comece a aparecer entre os primeiros lugares do buscador.

Vamos entender o trabalho diário?

Além do SEO, a maioria das outras ferramentas de marketing digital precisam de constância. Até mesmo quando falamos de posts patrocinados, quando se tem uma constância e bom desempenho no SEO, por exemplo, o seu post patrocinado também fica melhor posicionado e com um custo melhor.

Isso é a prova que precisa de um trabalho diário em cima de toda estratégia adotada. Quanto mais você investir em conteúdo orgânico (aquele que vem de seu público, que já te acompanha, sem precisar de link ou post patrocinado), mais retorno positivo você terá.

É post em redes sociais, post em blog, melhorias constantes em seu site, Landing Page (falaremos sobre este assunto em outro momento), várias coisas que, somadas, conferem uma melhor performance. Tudo isso parece pouco se pensado isoladamente, mas lá na frente, o resultado chega.

Por isso é preciso paciência!

A palavra da vez é: paciência. A gente sabe que nesse tempo de internet, onde tudo é muito imediatista, a paciência pode ser algo difícil de se conseguir. Porém, quando falamos de Marketing Digital, ela é fundamental.

Não se engane ao querer que o resultado de uma campanha de marketing digital apareça da noite pro dia. Isso demanda muito tempo, ok?! Por isso falamos que é um trabalho diário e contínuo. Se você começa na empolgação e acaba parando, seja qual for o motivo, tudo que você conquistou até ali, vai se perdendo. Então essa empolgação deve permanecer  do início ao fim, inclusive quando você já atingir os resultados esperado. Até porque, se você parar depois de atingir, alguém te alcança. Então, não desanime nunca.

Com o tempo, você vai aprender a fazer todas as coisas naturalmente, então não vai nem perceber que está usando estratégias para melhorar seu desempenho.

Foque no seu objetivo e vai com tudo!

Como fazer campanhas de incentivo para vendas?

Quando falamos em campanhas de incentivo, o que vem à sua mente? Prêmios e sorteios para quem conseguir mais vendas de sua equipe?! Bem, basicamente é exatamente isso que acontece.

As campanhas de incentivo são estratégias que você faz para incentivar, como o próprio nome diz, seus vendedores a aumentarem suas vendas. Geralmente, essas campanhas possuem um objetivo ou meta a se cumprir e possuem premiações para quem atingi-los.

Campanhas para te quero?!

A proposta das campanhas de incentivos é ótima e os resultados são muito assertivos. Sua equipe se motiva a procurar novas vendas e trazer mais resultados.

Porém, como dito anteriormente, toda campanha precisa ter um objetivo e uma meta a serem batidos. Portanto, não adianta ir lançando várias campanhas de incentivo sem uma proposta, um objetivo que queira cumprir. Então, primeiro passo é se perguntar: por que eu quero (ou preciso) fazer uma campanha de incentivo?!

Se você está lançando um novo produto, ainda desconhecido, ou precisa alavancar a venda de um produto que já existe, mas está parado: essa pode ser sua resposta.

Em paralelo, é preciso estabelecer as premiações que serão entregues a quem atingir as metas. Viagem? Dinheiro? Vale-compras? Isso você pode definir com seus colaboradores e criar premiações que os incentivem a buscar melhores resultados. E isso é preciso levar em consideração: a premiação é para eles, portanto, precisa atender ao que eles gostariam de ganhar para gerar um melhor resultado.

Além disso, é preciso definir um orçamento para compra dessas premiações. Pensar em um valor que seja suficiente para trazer uma premiação boa para seus colaboradores. Além disso, é preciso que as metas e objetivos estejam alinhadas com  um retorno positivo, gerando um lucro em cima das vendas.

E tenha em mente que campanhas de incentivos são investimentos, não gastos.

Vamos com calma, mas em frente!

Depois de tudo definido, é só correr atrás dos resultados esperados. Em nota: nada de criar metas abusivas e impossíveis de serem alcançadas, hein?! A ideia aqui não é fazer seu colaborador atingir o impossível, mas, sim, conseguir o que é viável, dentro dos limites dele e da empresa. Afinal, é um tiro no pé não conseguir atender aos pedidos. Portanto, vamos com calma!

Com calma, sim, mas em frente sempre! Aos poucos, você vai começar a perceber os resultados positivos de sua campanha. Verá que o retorno cobre o investimento nas premiações e, de quebra, você adquiriu mais clientes. E é importantíssimo mantê-los, mas isso é assunto para outro post.

Marketing Digital: por que usar em sua empresa?

Marketing Digital: por que usar em sua empresa?

É inegável que o Marketing Digital está tomando grandes proporções e virando quase uma necessidade obrigatória para as empresas que estão presentes no meio digital. E, afinal, quem ainda não está?! 

Se você não vive em um mundo isolado de tudo e todos e possui uma empresa, com certeza já ouviu falar de Marketing Digital. Esse é o nome que está em alta no momento. Se sua empresa não faz, está na hora de começar, para ontem.

Agora, você pergunta, por que eu deveria usar o marketing digital para minha empresa?

É sobre isso que vamos falar nesse artigo hoje.

Marketing Digital o quê?!

Em um resumo bem básico: marketing digital é um conjunto de estratégias feitas para divulgar seu produto/empresa na internet. Da mesma forma que o marketing convencional, porém de uma maneira mais abrangente e barata. Até porque, uma propaganda em TV aberta, no horário nobre, sai muito mais caro do que um anúncio no Google, por exemplo. Mas isso é assunto para outro post.

Como falamos, são várias táticas que envolvem o marketing digital. Não é só SEO (Search Engine Optimization), não é só Inbound Marketing, nem só trabalhar com Redes Sociais. É o conjunto de todas essas práticas e outras mais que, somadas, fazem com que seu marketing digital funcione.

Ok, mas por que eu precisaria disso?

Algo que não há como negar: a internet está dominando o mundo. Uma pesquisa divulgada no começo do ano mostra que mais de 60% dos brasileiros estavam conectados à internet em 2016, segundo o IBGE. De dois anos para cá, este número deve ter aumentado consideravelmente. Com esses dados, podemos considerar que, se não todo, boa parte de seu público está online.

Considerando os dados e o breve conceito de marketing digital, vamos responder a pergunta: por que eu preciso do marketing digital? Bom, se há tantas pessoas conectadas, esta é uma das principais formas de alcançá-las. Sabia que muitos dos novos usuários da internet, sequer assistem à TV aberta? E esses adolescentes, jovem adultos e até crianças podem, num futuro não muito distante, se tornarem os seus próximos clientes. É claro que tudo depende do seu produto e serviço, mas é preciso ficar atento ao que está acontecendo ao seu redor. E, mesmo que você não lide com crianças e adolescentes, há um número considerável, inclusive de idosos, que estão entrando na lista de usuários ativos online.

Este é o principal motivo que você deve começar a trabalhar com o marketing digital: público. Seu público está online. E frequentemente, com o conteúdo disponível, literalmente, na palma de sua mão.

Nossa, então vou começar já!

Calma, calma. É preciso tomar cuidado ao criar estratégias de marketing digital. Procurar o que pode te ajudar ou prejudicar em meio a essa caminhada. Pesquisar, procurar ampliar seu conhecimento é um ponta pé inicial para conseguir elaborar a melhor estratégia para seu negócio.

Aos poucos, vamos soltando algumas dicas que podem te ajudar, além de conceitos práticos e ideias simples que podem ser valiosas nesse meio.

Fique ligado em nosso blog!

Qual a melhor rede social para sua empresa?

melhor rede social para sua empresa: facebook ou instagram

Você já ficou na dúvida sobre qual rede social é mais adequada para seu negócio? Vamos te ajudar com isso!

Você já parou para pensar qual a melhor rede social para o seu negócio? Além, claro, de saber onde seu cliente está, é importante, também, saber algumas particularidades. Afinal, qual a melhor: Facebook ou Instagram?

Atualmente, estar presente nas mídias sociais não é mais algo opcional. Com o boom da internet, estar online é mais do que necessário, é quase obrigatório. Porém, tem uma questão que é preciso pontuar: eu preciso estar em TODAS as mídias?!

Bom, depende.

Por que depende? Ou depende do quê, exatamente?!

A verdade é que você precisa estar onde seus clientes estão. Esse é o primeiro ponto principal a ser levado em conta. Se você é uma empresa cujo público alvo está mais no Facebook, você deve ir para o Facebook. Além disso, há outros pontos que podemos considerar para que essa escolha seja feita de forma assertiva.

Facebook ou Instagram, qual a melhor rede social para mim?!

Vamos falar das principais redes do momento: Facebook e Instagram.

São as redes que mais possuem usuários ativos mensais no Brasil, portanto, onde há maior possibilidade do seu cliente estar.

E o que as difere entre si?

Afinal, ambas possuem a possibilidade de postar imagens e vídeos com legendas longas. Porém, o Facebook é o único entre elas que permite a publicação de textos soltos, sem a necessidade de uma imagem. Outra semelhança: ambas também possuem a opção de realizar transmissões ao vivo. E acho que nem precisamos citar que elas são da mesma empresa/dono, né?! (Tio Mark ainda vai dominar o mundo?!).

E como saber qual das duas é mais interessante pro meu negócio?

O Instagram pode ter formato de vídeo, mas seu foco principal segue sendo as imagens. Portanto, se você tem uma empresa que possui produtos atrativos visualmente, ele pode ser a melhor escolha. Fora que ele possui os Stories, que permitem interações com clientes com diversos recursos que podem ser usados para manter um relacionamento próximo com seu público.  Porém (infelizmente, tem um porém), ele ainda não possui os links clicáveis em publicações feitas no feed. O máximo que ele permite são os links nos Stories, mas isso é limitado a quem possui mais de 10 mil seguidores.

Recentemente, o Instagram lançou a opção de marcar produtos em posts do feed e direcionar para compra, dentro do aplicativo. Isso também ajuda muito os e-commerces, pois permite que seus produtos sejam comercializados com mais agilidade. Afinal, agora eu não preciso mais ir até o link da bio para conseguir clicar em alguma coisa…

Quanto ao Facebook, ele já tem essa opção de links clicáveis em suas publicações. Permite até que sejam postados links sem o uso de imagem própria, mas fazendo uso da imagem do link de destino. Por outro lado, essas interações e o próprio Story do Facebook são bem menos aproveitado do que o Instagram.

Então, o que você precisa analisar, além de seu público, é o que você vai postar. Se seu conteúdo gira muito em torno de links, como blogs, talvez o Facebook possa ser uma melhor opção. Já se você trabalha com e-commerce, o Instagram tem se mostrado mais funcional, apesar de que, neste caso, trabalhar em conjunto com as duas redes possa ser melhor para você.

Enfim, é sempre bom analisar o que tem a oferecer com relação ao seu conteúdo, sua proposta comercial e seu público principal.

Se conseguir utilizar as duas redes em conjunto, é melhor, mas não adianta nada estar na rede, mas não se fazer presente. Pense nisso!

WhatsApp Marketing: econômico e prático para sua empresa!

WhatsApp Marketing: econômico e prático para sua empresa!

Já pensou em fazer uso do WhatsApp Marketing?

Que o WhatsApp virou o mensageiro queridinho dos brasileiros e das empresas, isso não é novidade pra ninguém. Longe de querermos discutir o que o trouxe até esse patamar, vamos falar um pouco sobre como aproveitar essa ferramenta para seu negócio.

O WhatsApp, assim como o e-mail, é uma ferramenta e tanto para fazer com que seus clientes recebam informativos a respeito de seus produtos ou serviços. Claro, isso tudo se ele autorizar e/ou solicitar o envio. De toda forma, é uma maneira fácil e rápida de contato com seus clientes. Até porque, atualmente, quem não está sempre com o celular no bolso (ou bolsa)?

O WhatsApp Marketing é uma nova forma de interação e divulgação por meio do mensageiro. Por ele, é possível manter um bom relacionamento com seu cliente, ao mesmo tempo em que divulga sua marca e se mantém na cabeça dele.

A probabilidade de ele te procurar quando precisar de algum serviço será muito maior. Afinal, ele já tem seu número ali, literalmente, na palma da mão. E a lembrança fresca de que você está sempre disponível para atendê-lo.

E como aproveitar o mensageiro?!

Existem várias maneiras e possibilidades para uso do Whats como uma ferramenta de negócio. Tanto ele percebeu isso que lançou há pouco tempo o WhatsApp Business, focado para pequenas empresas. Além de usar esse formato do aplicativo, você pode explorar todas as possibilidades que ele possui: imagens, vídeos, áudios, gifs, status e até combinar algumas dessas opções. Para o envio, você pode criar listas de transmissão e enviar aos seus contatos o que escolher, seja uma promoção ou um vídeo explicando alguma coisa interessante de seu negócio.  Mas, importante: as listas de transmissão podem não funcionar se seu contato não tiver seu número cadastrado, então é bom pedir pra ele incluir seu número na agenda dele.

Claro, é preciso ter um limite e cautela. Nem tudo são flores nesse mundo de WhatsApp, então é preciso saber quando parar, também. Se um cliente, por qualquer motivo que seja, pede pra cancelar o envio, é importante cancelar o envio. Imagino que você também não goste de ser importunado quando diz que não quer mais receber alguma coisa, não é?! Funciona da mesma forma por aqui.

Além disso, tome cuidado com a frequência de envios. Receber uma mensagem todo dia de uma empresa é cansativo. Pode , inclusive, ser um motivo para seu cliente pedir para retirar o nome dele de sua  lista de transmissão.

Tudo muito bom e muito bem, mas…

Você já deve ter ouvido falar que, para combater as fake news, o WhatsApp começou a limitar o envio de mensagens. Antes era possível enviar um arquivo (imagem, vídeo, documento, áudio) para 256 contatos de uma só vez. Agora, essa distribuição de mensagens foi limitada para 20 contatos por vez. Isso acaba prejudicando um pouco quem usa a ferramenta para negócios, com envio de informativos , promoções ou até o WhatsApp Marketing.

Porém, o Whats considera as listas de transmissão como um envio, o que pode facilitar para sua empresa, ainda mais se sua lista de contatos não for muito grande.

Mas será que isso é pra minha empresa?

Se essa pergunta estiver passando pela sua cabeça, a resposta é simples: sim! O WhatsApp Marketing, desde que administrado com cuidado, com certeza pode ser pra sua empresa. É uma questão de adaptar e saber desenvolver saídas para utilização do mensageiro.

Lembrando: é importante responder aos seus clientes, também. Afinal, o WhatsApp é via de mão dupla e pede uma resposta quando questionado.

Tomando todos esses cuidados, sabendo aproveitar e conhecendo bem de seu negócio, essa é uma excelente maneira prática e econômica de trabalhar um pouco do marketing de sua empresa.

E saiba que, se precisar, a CADA está aqui para te ajudar com isso!

 

Instagram e suas atualizações: conheçam o IGTV

IGTV: nova ferramenta do Instagram vem para bater de frente com o Youtube. E agora?!

IGTV: nova ferramenta do Instagram vem para bater de frente com o Youtube. E agora?!

Nosso querido Tio Mark não para. Tretou, relou, o Instagram atualizou. Quem está direto no aplicativo sabe que nos últimos dias, ele tem sido atualizado constantemente. Chegamos ao ponto de parar e perguntar: Mark não tem nenhum amigo que diga “vamos dar uma pausa?”.

Bom, se tem ou não esse amigo, não sabemos, mas é fato que há muitas mudanças acontecendo no aplicativo de fotos mais famoso do mundo.  E a mais recente, é o que ele chama de IGTV. A proposta?! Concorrer com o Youtube. Simples, assim.

É possível que você já tenha recebido a atualização do app e a IGTV já esteja aparecendo ao lado das Directs do Instagram (imagem abaixo). Caso ainda não tenha recebido, não se desespere: ela será liberada aos poucos para todos os usuários.

De qualquer forma, hoje vamos falar o que essa nova mudança pode trazer de bom (e, quem sabe, de ruim) para o mundo das redes sociais.

 E agora, Youtube?

Como mencionei acima, o objetivo do IGTV é muito claro: ser concorrente direto do Youtube, da gigante Google. Neste primeiro momento, serão permitidos vídeos de 15 a 10 minutos, podendo, com o passar do uso, chegar a 1 hora de duração.

Muito? Talvez. Resta muito saber como os produtores de conteúdo irão lidar com esse tempo. Afinal, o Youtube também permite vídeos longos, mas são raros os que extrapolam um determinado limite de tempo. Até porque, convenhamos, o mundo anda muito corrido para as pessoas pararem para ver 1 hora de um vídeo qualquer, a menos que seja algo mais focado: série, documentário, curta, entre outros.

Outra coisa a ser destacada no IGTV: o conteúdo dos vídeos é em formato vertical. O que gera outra opção para quem quer produzir conteúdo. Você tem dois formatos (vertical no IGTV e horizontal no Youtube) para explorar. Podendo focar em apenas um ou não.

A verdade é que não dá pra ficar de olhos fechados e ignorar o que essa nova ferramenta traz. Nem as possibilidades que ela pode trazer, tanto para pessoas físicas quanto para marcas.

E, falando em marca…

Já que tocamos no assunto de marca, vamos focar um pouco neste assunto. Uma pequena empresa, principalmente, nem sempre tem uma estrutura grande para poder fazer vídeos bem elaborados no Youtube. Que, aliás, tem se tornado, cada vez mais, uma grande fonte de produções audiovisuais dignas de qualquer programa de TV. Com o conteúdo vertical do IGTV, as opções ampliam para este pequeno empresário, pois ele só precisa do celular para poder gravar um conteúdo para a plataforma.

Por mais que isso possa deixar a plataforma mais informal, não tira o mérito do conteúdo e das possibilidades que podem ser geradas naquele novo espaço. Sendo assim, há muito que se explorar, enquanto empresa, nesta nova ferramenta.

Até mesmo um pessoa que tenha um bom número de seguidores, dá novas opções para ela, um novo tipo de formato e interação com seu público.

E o que vem depois?

Essa é a grande questão: o que virá agora? Qual será a nova atualização do tio Mark que vai movimentar o mundo do social media?! Acredito que muito estejam se perguntando sobre isso. E a resposta só virá, mesmo, com o tempo.

O pouco que sabemos é que a intenção é que os vídeos do IGTV sejam monetizados, assim como no Youtube. O que pode significar uma boa disputa por espaços entre essas duas grandes empresas. E, como representantes do marketing, concordamos que a concorrência tende a ser benéfica para os consumidores. O que nos resta é aguardar e esperar pra ver o que o Youtube fará com relação a tudo isso.

Copa do Mundo: marketing que vem junto!

Copa do Mundo: marketing que vem junto!

Copa do Mundo é quase sinônimo de marketing e propaganda! Que tal falarmos um pouco sobre isso?

A Copa do Mundo está aí. Como é possível ver a cada momento em que se liga a televisão ou acessa as redes sociais. E, com ela, chegam as chuvas de propagandas que acompanham essa que é a maior competição de futebol do planeta.

Sempre que temos uma Copa, uma das poucas certezas que temos além de grandes jogos, é que muitos patrocinadores aparecerão em nossas telas a todo o momento. O marketing durante a copa do mundo movimenta milhões de reais, em vários países. Prova disso é a China, que gastará a maior quantia com publicidade, sendo que o país se quer foi classificado para o mundial.

E tudo isso por quê?! Simples: há um interesse muito grande em telespectadores para assistir a um dos maiores eventos esportivos do mundo. A Copa do Mundo, este ano sendo sediada pela Rússia, movimenta várias marcas, dinheiro e audiência em todo mundo.

O mercado da Copa, assim como o próprio mercado da bola, movimenta uma bolada (com o perdão do trocadilho). Não dá pra ficarmos alheios a esse fato e nem repararmos em cada intervalo e até mesmo durante os jogos, as marcas que ali aparecem como patrocinadores oficiais do evento.

Recursos não faltam para essas propagandas

Jingles, comerciais emotivos, jogadores famosos, pessoas comuns vibrando. São apenas alguns dos recursos que vemos constantemente em propagandas envolvendo a Copa do Mundo. Você, provavelmente, já se pegou cantando alguma música que toca em um comercial de patrocinador oficial seja ele do evento em si ou da Seleção Brasileira.

E a ideia é mesmo essa: fazer aparecer a marca e fixar de alguma forma aquela mensagem ou produto na cabeça do consumidor.

Grandes marcas, até já consolidadas, mantém seu foco em fazer propagandas do tipo que marcam, chamam atenção e ficam na mente do consumidor. Por mais que uma marca já seja conhecida do grande público, nunca é demais marcar presença, ainda mais em eventos deste porte.

Por isso, muitas das marcas que aparecem nos intervalos dos jogos ou até mesmo durante eles, são as mesmas que apareceram na Copa passada. E, provavelmente, serão as que aparecerão na Copa de 2022.

Um ciclo que não fecha

O ciclo do marketing na Copa do Mundo afeta um mercado e público gigantescos, por isso há tanto interesse nas marcas em aproveitar esta oportunidade.

Todo investimento que é feito pelas marcas, é retornado, de alguma forma. Por isso, é um ciclo que não se perde, só se ganha. E é um dos principais motivos que as empresas visam tanto esses 30 segundos de intervalo, além das grandes produções que vemos nesse curto período.

A Copa do Mundo é uma paixão para brasileiros, mas, também  é uma grande alegria para as marcas.

Identidade Visual a seu favor: o poder de uma marca!

Identidade Visual a seu favor: o poder de uma marca

Como fazer com que a sua marca seja reconhecida pela sua identidade visual

Quando você pensa em identidade visual de sua empresa, o que lhe passa em mente? Há muito mais que se preocupar além de cores e disposições em seus folhetos. Uma identidade visual bem estruturada é muito importante para reconhecer sua marca.

Para exemplificar melhor o que queremos dizer, vamos começar com alguns conceitos básicos. Quando falamos em identidade visual, como o próprio nome deve supor, queremos falar sobre identificação. Da mesma forma que possuímos um documento que nos identifica, o mesmo funciona com a identidade visual de sua empresa.

Por conta disso, você precisa contar com um modelo bem estruturado. Afinal, toda identidade é padronizada, mudando apenas os dados, correto? E é esse padrão que irá fixar na mente de seu consumidor, fazendo com que qualquer imagem seja logo identificada e compreendida como de sua empresa.

Para fixar mais, podemos citar um exemplo mais visível, por assim dizer. Vamos ao prático: o famoso “M” do MC Donalds, a fonte utilizada na caligrafia, as cores, tudo isso é facilmente identificado e reconhecido como de uma das principais redes de fast food do mundo.

A ideia da identidade visual é exatamente essa: reconhecer uma empresa ou marca por  algumas imagens.

Cara, crachá?!

Quem vê cara pode não ver coração, mas, com certeza, ainda mais falando em empresas, pode ver muito do que você tem a oferecer. Uma boa apresentação inicial de sua imagem pode ser o que chamará a atenção para seu cliente e fará com que ele o contrate. É bater o olho e identificar que estamos falando da empresa “X”. E saber que o crachá está tão atualizado, que a foto não causa dúvidas aos olhos de ninguém.

Por isso, é importante manter a sinergia de seus produtos visuais. Imagens e vídeos. O logo, o cartão, o site e todo material que você divulgar que leve o nome de sua empresa, precisam estar de acordo entre si.

Desta forma, quanto melhor for sua identidade visual, mais reconhecida sua empresa ficará perante os olhos de seus clientes, parceiros e toda sociedade. E, lembre-se: pode contar com a CADA para te ajudar com isso!

Campanha Promocional: qual sua vantagem e por que usá-la?

Entenda um pouco o que é e como funciona a campanha promocional, além de usá-la da melhor maneira para o seu negócio.

Você já deve ter ouvido esse termo antes: campanha promocional. Talvez tenha passado batido, não tenha prestado muita atenção, mas aí em um determinado momento, seu chefe fala que vocês irão iniciar uma campanha promocional para começar a vender um determinado produto. Aí você pensa “já ouvi esse termo antes, mas o que significa?”.

É um pouco sobre isso que iremos falar hoje.

Campanha promocional, como o nome já sugere, é uma campanha com foco promocional para aumentar as vendas de um determinado produto. Pode ser um produto novo, para o público tomar conhecimento, ou um produto que não tenha muita saída e você queira mudar isso.

Existem vários tipos de campanhas promocionais. No supermercado, por exemplo, você já deve ter visto aquela etiqueta “compre 1, leve 2”. Outro que podemos citar é a que envolve sorteios e prêmios, que também é muito vista, ainda mais em programas de TV. Você compra um determinado produto ou uma quantidade “X” e participa de um sorteio para concorrer a diversos prêmios.

Campanhas promocionais estão em nossa volta, mesmo que não percebamos isso. E uma coisa é certa: ela é uma das principais maneiras de se obter resultados positivos e aumento nas vendas.

Como desenvolver uma boa campanha?

Uma boa campanha depende muito de qual seu objetivo. Aumentar a circulação de um produto no mercado, lançar um produto novo, ampliar as vendas de um determinado segmento de produtos que trabalha. As possibilidades são enormes e você só tem a ganhar.

A principal vantagem desse tipo de ação é exatamente o resultado rápido de retorno nas vendas. Além de aumentar a visibilidade de sua marca e produto para o consumidor final. É algo que agrada a todos: você e seu público alvo.

Para desenvolver uma boa campanha, comece tendo em mente o que citamos no começo deste tópico: seu objetivo. A partir disso, basta criar ações com distribuidores ou direto nos pontos de vendas. Pesquise seu concorrente, saiba o que ele está fazendo, pois isso também pode lhe ajudar a bolar estratégias que te beneficiem. Tenha em mente que seu consumidor final é o responsável pela compra, então ele tem que enxergar que tem alguma vantagem ao adquirir o produto.

Acertando esses pontos, basta começar com as ações. Acompanhando de perto os resultados e, se for preciso, mude. Não há problema nenhum em fazer algo diferente do seu plano inicial, desde que não prejudique ninguém e esteja tudo dentro de sua proposta. Mudar pode ser bom e pode lhe trazer mais resultado quando se é feito com cautela e com um bom embasamento.

Isso realmente me trará algo positivo?

Você pode até achar que isso é um gasto a mais, mas não é. É preciso pensar nesse tipo de campanha como um investimento. Pode acreditar, o retorno é muito maior do que qualquer dinheiro e tempo que você dedique a essas ações.

Se o processo for feito com cuidado, analisando todos os pontos que devem ser considerados para o resultado final, não há como dar errado. Você verá que os números de vendas mostrarão que tudo valeu a pena.

Mais do que isso, poderá chegar a um determinado momento pensando “por que eu não fiz isso antes?”.

Campanha promocional é a certeza mais rápida de aumento de vendas e, se precisar, pode contar com a CADA para isso.

Fake News x Portais Pagos

Fake News x Portais Pagos

Fake news: como é possível combater essa onda de notícias falsas que invadem as redes sociais?!

Se você é uma pessoa que está com certa frequência nas redes sociais, provavelmente já ouviu falar do termo fake news. Como o próprio nome em traduzir diz, o termo trata de “notícias falsas”. Aquela notícia que você recebe que, quando vai ver, não condiz com a realidade.

As redes sociais são consideradas umas das maiores repercussoras das fake news. Com a possibilidade de compartilhamento, elas podem se tornar virais, às vezes até mais que as notícias verdadeiras.

Mas, por que isso acontece? Geralmente, essas notícias são feitas com o intuito de causar algum tipo de identificação, revolta, comoção de um modo geral – seja positiva ou negativa. Esse tipo de reação faz com que haja mais intensidade no compartilhamento. Em resumo, elas são feitas para viralizar.

Outro grande problema encontrado com as fake news é o fato de que muitas pessoas acabam compartilhando essas notícias sem ao menos checar a veracidade das informações. Com isso, temos uma bola de neve, pois mais pessoas recebem a notícia de seus amigos e, como ela é feita para ser viralizada, também a compartilham como uma verdade.

Há uma forma de combate a essas notícias?

Sempre há. O Facebook já tem adotado algumas medidas para reduzir o alcance dessas notícias. O WhatsApp, que também pertence ao grupo do Facebook, anunciou uma nova ferramenta para avisar quando mensagens forem encaminhadas em excesso dentro do app.

Além disso, existem vários portais na internet dedicados a desmentir essas notícias. Uma simples busca no Google já resolve esse problema. Basta digitar algumas palavras chaves e você é direcionado a um link que confirma ou desmente algo que seja divulgado.

É preciso tomar cuidado com o que se divulga pela internet, pois muitas coisas podem tomar proporções gigantescas – mesmo você achando que não. Quem nunca recebeu uma mensagem com a frase “não sei se é verdade, mas resolvi compartilhar”? Ou quem nunca já fez isso? Eu mesma já. Hoje tomo cuidado com cada mensagem recebida pelas redes sociais, em especial aquelas que não contêm o link de origem da matéria.

Em meio a tantos fakes, as news mudam sua postura

Já tem algum tempo que alguns dos grandes portais de notícias (Folha e UOL, por exemplo) começaram a cobrar pelo acesso. Eles te limitam a uma quantidade de matérias que você pode ler durante o mês, se você ultrapassa, terá que pagar para ter acesso.

Essa é uma das formas que os portais arrumaram de, além de conseguir uma renda, combater as notícias falsas que circulam com tanto fervor internet a fora. Acredito, inclusive, que essa seja a tendência daqui pra frente. Voltaremos à época em que só tinha acesso às notícias quem assinava os jornais para receber em sua casa ou acompanhava os telejornais. Agora, para acessar um portal, você precisará pagar, assim, poderá ter mais garantia e confiança no conteúdo apresentado.

Será essa a solução para o problema?

Se isso será o ponto essencial para solucionar o problema, o tempo dirá. Até porque, se hoje, que temos toda informação livre e gratuita (em sua grande maioria), ainda temos grandes problemas com as fake news, como será quando os portais forem pagos?

Até onde este pagamento garantirá a informação verdadeira ou será o principal motivo para aumentar mais ainda as dimensões das falsas?

O jeito é esperar que, mesmo que aos poucos, as pessoas tomem consciência do problema, entendam que divulgar notícias falsas também é crime e que há muito que se perder com esse tipo de informação, se é que podemos chamá-las assim.

Mulheres no Marketing

Mulheres no Marketing: como está o mercado do marketing e da comunicação para elas?

Feminismo. Igualdade. Mulher. Esses assuntos têm estado em muita evidência, principalmente nos últimos tempos. Agora, o que isso realmente significa quando falamos de mulheres no marketing e em todo mercado da comunicação?!

Uma pesquisa feita pelo Meio & Mensagem em 2016, mostra que as mulheres representam apenas 20% no setor criativo das principais agências de publicidade do país. Por mais que a pesquisa tenha mais de 1 ano, isso nos mostra que ainda há muito o que se fazer para melhorar esse número.

Não é incomum ver relatos de mulheres que sofrem algum tipo de preconceito em sua profissão. E isso é um fator que pode ser considerado importante quando falamos de igualdade no trabalho. Em todos os segmentos, há muitos casos de mulheres que não são levadas à sério por seus superiores. Hoje estamos caminhando para uma melhora neste pensamento. Aos poucos, as mulheres estão ganhando novos cargos de liderança e maior confiança nas empresas.

Como fica a mulher no mercado da publicidade

O mundo da Publicidade é majoritariamente dominado por homens. Basta ver os grandes prêmios que são concebidos aos profissionais do mercado. E vale lembrar dos números citados acima.

Porém, da mesma forma que em outros segmentos, a mulher começa a conseguir seu espaço. Quando falamos de Marketing Digital, que é uma área ascendente, é possível ver muita mulher influente. Ainda não é nem perto do que temos no mercado como um todo, mas é um começo. E o melhor: há uma visibilidade e referência nessas mulheres e em seu trabalho.

Se formos considerar que a mulher só teve direito ao voto há menos de 100 anos, cada passo e cada conquista ganha um ponto positivo. Cada nova mulher que assume um cargo de liderança em uma agência ou grande empresa, é algo a se comemorar.

No Dia Internacional da Mulher, mais do que mostrar um pouco de como está o mercado da comunicação e marketing para elas, queremos mostrar a importância deste dia. Ainda há muito que conquistar, só estamos começando, mas é extremamente essencial ter este começo.

Marketing de Conteúdo x Inbound Marketing

Você já ouviu falar de Marketing de Conteúdo? E Inbound Marekting? Sabia que eles têm muitas semelhanças entre si, apesar de não serem a mesma coisa?

Marketing de Conteúdo, Inbound Marketing… Esses nomes parecem estranhos para você? Já ouviu falar, mas não tem ideia do que se trata? Não se preocupe, o nome pode ser complicado, mas o conceito não é tão difícil assim.

Na verdade, o Marketing de Conteúdo é uma das estratégias que podem ser adotadas para realizar o Inbound marketing.

Ambos estão conectados, mas o marketing de conteúdo está dentro do inbound. Ou seja: não se faz uma estratégia de inbound sem o marketing de conteúdo e, quando se faz o marketing de conteúdo, consequentemente, você está aplicando, de certa forma, o inbound.

Ok, mas e o que é Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo?

Difícil de compreender? Calma que a gente explica!

De uma forma simples e bem resumida, podemos falar que o inbound marketing é uma soma de estratégias que fazem com que seu cliente chegue até você, em vez de você ir até ele. É também conhecido como marketing de atração. É preciso gerar um conteúdo atrativo para que seus clientes acabem chegando ao seu blog/site e veja quais tipos de serviços você faz. Para fazer o inbound marketing, você precisa alinhar estratégias de SEO (Search Engine Optimization – calma, falaremos disso em breve!), marketing de conteúdo (olha ele aí!), mídias digitais, Adwords, etc. Além, claro, de criar conteúdo relevante e interessante para que seu público alvo chegue até você.

O Marketing de Conteúdo nada mais é do que esse conteúdo atrativo que você gera. A grande estratégia aqui é trabalhar com conteúdos que sejam de interesse de seu público alvo, para que ele te encontre por meio de ferramentas de busca. Desta forma, você apresenta para seus possíveis clientes, soluções para determinados tipos de problemas, conhecimento dentro de sua área, passando mais confiabilidade e aumentando a possibilidade de se formar uma parceria num futuro próximo.

Por isso dissemos ali em cima que eles estão conectados. Afinal, para atrair seu público, você precisa de um bom conteúdo.

Agora, gostou do assunto e quer se aprofundar um pouco mais sobre o Inbound Marketing?! Clica nesse link aqui que você vai pra um artigo bem completo sobre o assunto!

Se quiser começar a fazer uma estratégia de inbound para sua empresa, a CADA pode ajudar! Fale conosco!

Como fazer uma ação de Trade Marketing eficaz?

Como fazer uma ação de trade marketing eficiente?

Você sabe o que significa trade marketing e como ele pode ajudar seu negócio?

Trade Marketing é uma estratégica adotada dentro do planejamento de Marketing que, de certa forma, aproxima indústria e distribuidor. O foco maior desse tipo de ação é estreitar laços com os seus revendedores para que o resultado chegue ao consumidor final e, claro, gere lucro para ambos os lados.

Junto com o promotor técnico, essencial nesse tipo de ação, o produto é apresentado ao distribuidor. O trade marketing desenvolve inúmeras ações dentro da praça que o produto é vendido, determinando as melhores formas de divulgação, como por exemplo, ações de abordagem dentro da loja, apresentação do produto na prateleira, sinalização com materiais promocionais e elaboração de campanhas promocionais. É um importante elo entre o departamento de marketing e vendas, onde as estratégias são desenvolvidas visando o aumento efetivo nas vendas, dentro do ponto de venda e rede de distribuição.

O responsável pelo trade marketing de seu negócio avalia a concorrência e define o melhor preço a ser adotado para um produto e a estratégia de divulgação no mercado, seguindo a linha qualidade/concorrência/benefícios/divulgação.

Mas, afinal, como isso pode ajudar meu negócio?!

Já ouviu falar daquela história que a empresa precisa ser vista para ser lembrada?! O trade marketing leva seu negócio até o consumidor final utilizando-se de várias ações para que o cliente veja o produto e decida-se por ele. O principal objetivo das ações de trade marketing é criar e fomentar o interesse de compra.

Se aproximando de seu consumidor final, ele será mais procurado e o aumento das vendas vem como consequência. Você trabalhará diretamente na principal fonte de consumo de seu produto. É um retorno praticamente certo.

Dessa forma, o seu produto passa a ser mais lembrado, sua marca ganha reconhecimento do mercado e seu negócio só tende a crescer.

Certo, agora, como fazer uma ação de trade marketing eficaz?

Agora que já conceituamos alguns pontos, vamos ao fato principal deste artigo: afinal, como é possível fazer uma ação de trade marketing eficaz, que me traga os resultados que preciso?

Se o trade marketing é aproximar seu produto do consumidor final, a estratégia inicial é fazer essa aproximação acontecer. Isso pode ser feito de várias formas, mas a mais usada é através de promotores, que apresentam o produto para o seu principal consumidor.

O ideal é começar com promotores em pontos estratégicos, locais onde seu público alvo é mais encontrado. Por exemplo, se você é um produtor local, o ideal é buscar mercados de sua região para apresentar seu produto ao seus vendedores. Um exemplo de um tipo de trade marketing que podemos citar, neste caso, é o feirante. A diferença é que ele não faz nenhum tipo de intermediação de venda do produto, afinal, ele já vende para consumidor final.

Parcerias, apresentações, visitas aos seus distribuidores são algumas outras formas de estratégicas aplicadas ao trade marketing que você pode utilizar com o passar do tempo.

O que você deve manter sempre em mente: o propósito principal do trade marketing é atingir o consumidor final, fazer com que ele conheça seu produto e o tenha sempre em mente quando for comprá-lo.

Dessa forma, há ganhos para todos os lados, pois o consumidor sai satisfeito pelo produto adquirido e seu distribuidor e você aumentam as vendas, como consequência.

Inteligência Artificial: até onde ela pode ir?!

Inteligência Artificial: até onde ela pode ir?

O uso da tecnologia tem nos ajudado muito nos últimos anos, mas, até onde será que ela é capaz de chegar?

A inteligência artificial já é uma realidade que está mais do que batendo em nossa parte, ela já entrou e se acomodou no sofá. Os ChatBots já são utilizado por diversas empresas e estão sendo aperfeiçoados a cada dia que passa.

Diante desse boom dessa tecnologia e de seu aperfeiçoamento diário, fica a pergunta: até onde ela pode ir?

Essa semana a Microsoft anunciou que está desenvolvendo um robô que desenha o que você descreve para ele. De acordo com a informação apresentada, essa tecnologia deverá ser bem útil para pintores e designers de interiores. E, por que não mencionar designer gráfico? Ter alguém que reproduza um desenho que você pensou pode facilitar muito a vida desse pessoal que trabalha com esse tipo de serviço.

Robôs poderão substituir as pessoas?

Isso é uma pergunta que deve ser muito recorrente, ainda mais quando vemos esse tipo de notícia.

Não sabemos até onde pode ir o poder da inteligência artificial (será que um dia ficaremos à mercê das máquinas como diziam os filmes?). A verdade é que ela tem muito pontos positivos que ajudam as pessoas a melhor desenvolver seu trabalho. Até o momento, muito do que ainda vemos nessa tecnologia, envolve ou necessita das mãos humanas para que o processo seja concluído.

É fato que máquinas já substituíram funções antes feitas por humanos, em especial nas fábricas de produção em grande escala. Então essa preocupação faz sentido.

Porém, é importante lembrar que quem alimenta os chatbots são as pessoas. Sem uma base de dados de perguntas e respostas, eles simplesmente não funcionam. No caso citado acima, da Microsoft, quem faz o desenho é a pessoa, ela precisa descrevê-lo para o que computador entenda e reproduza.

Até onde ela poderá chegar?

A inteligência artificial ainda é um terreno que parece ser muito pouco explorado. Com o avanço da tecnologia, a tendência é que ela seja cada vez mais utilizada em nosso dia-a-dia (vide comandos de voz, como a SIRI da Apple).

Acho que o destino final de seu caminho está bem longe de onde estamos hoje. Na verdade, a pergunta que fica é se há um limite para o que ela é capaz de fazer.

A gente só espera não ter que enfrentar uma luta contra as máquinas em um futuro (seja ele próximo ou distante).

Moedas Digitais: futuro do mercado financeiro?

Moedas Digitais bitcoins

Fonte: https://www.thesun.co.uk/money/3000715/bitcoin-price-value-pounds-dollars-cryptocurrency/

Você que está sempre conectado, já deve ter ouvido falar, especialmente nos últimos dias, sobre moedas digitais ou criptomoedas. Ou, citando duas das mais conhecidas, bitcoins e ethereum.

Ultimamente, esse assunto tem tomado conta dos noticiários, ainda mais os focados em tecnologia, devido ao superfaturamento de valores dos bitcoins, que chegaram a atingir mais de 10 mil reais cada um.

O mundo tem se dividido muito entre as pessoas que acreditam que o bitcoin, e seus equivalentes, é o futuro quando falamos de moeda e outras pensam que é uma furada, por se tratar de uma bolha financeira. Para quem não sabe, bolha financeira é quando temos muita oferta para pouca procura de um determinado produto. Como ocorreu com os Estados Unidos na época da crise do mercado imobiliário: muitas pessoas compraram casas, visando o lucro quando fossem vender, mas não conseguiram vender devido ao alto preço e baixa procura.

A verdade é que é uma realidade que dificilmente deixará de existir. Pode até ser que não valha tanto como hoje, mas ainda é algo que já está acontecendo e deve permanecer por muito tempo ainda.
Isso porque estamos mencionando apenas uma das já inúmeras moedas digitais que vêm surgindo por aí, o que significa que a tendência pode, sim, ser essa para um futuro talvez não muito distante.

Mas, afinal, o que são as moedas digitais?

As moedas digitais ou criptomoedas nada mais são que, em resumo, um dinheiro criado virtualmente. Você abre uma carteira virtual (que funciona como uma conta bancária), onde “deposita” as moedas que adquirir.

Elas surgiram para serem usadas para jogos online e acabou atingindo outros públicos e ganhando tais proporções e visibilidade.

Você pode comprar essas moedas com dinheiro físico (moedas convencionais que já conhecemos), receber uma transferência de uma carteira de moedas já existentes para a sua ou até pode participar das chamadas minerações, que são as validações das transações feitas, cuja recompensa é revertida em um valor da moeda para a sua carteira virtual.

Há quem diga que moedas virtuais são algo muito especulativo, já que não há uma fonte real de dinheiro em que ela surge. No Brasil, por exemplo, temos a Casa da Moeda que imprimi o dinheiro que deve circular pelo mercado, baseado em vários fatores a quantidade de cédulas aumenta ou não. No caso das moedas digitais, não há uma instituição que as imprimi, ela nem mesmo é real, não se pode pegar um bitcoin, pois ela só existe virtualmente. O que acontece é que ela é criada dentro do mundo virtual, mas acaba gerando um valor monetário para quem a adquiri. Podendo, assim, ser convertida na moeda local a qual a pessoa que possui está acostumada.

Será o futuro do mercado?

A pergunta que não quer calar: estamos vendo a ascensão do futuro do mercado financeiro?! Será que nossos netos só trabalharão com tais moedas digitais, deixando de lado qualquer tipo de cartão de crédito ou dinheiro?

Essa é uma pergunta que atiça e muito a todos no momento. Até onde as moedas digitais farão parte do nosso cotidiano e começarão a entrar como a principal forma de pagamento até no boteco da esquina?! Até onde as pessoas estão preparadas para lidar com esse tipo de dinheiro?

E você, acredita que este seja o futuro do mercado financeiro? Conte pra gente nos comentários.

Youtube Offline? Novidade começa a ser testada no Brasil

 

Fazer streaming de vídeos no celular nem sempre é conveniente, ou mesmo possível. Às vezes você não tem conexão, e quando tem, isso gasta sua franquia de dados. Por isso, é importante oferecer a opção de baixá-los para assistir offline. A Netflix sabe disso, por exemplo — e o YouTube também.

Um botão “Salvar” está aparecendo no app do YouTube para alguns usuários no Brasil. Ao tocar nele, é possível fazer download em qualidade baixa (144p), média (360p) ou alta (720p). Você também fica sabendo quantos megabytes isso vai ocupar no seu smartphone ou tablet.

Então, basta acessar o vídeo na Biblioteca (na parte inferior da interface). Ele fica disponível para uso offline por até 48 horas. Os anúncios, se houver, são reproduzidos normalmente.

O leitor Wanderson de Souza, que obteve o recurso, diz ao Tecnoblog que baixou um vídeo e colocou o aparelho em modo avião para testar — a reprodução ocorreu sem problemas. Ele está na versão 12.45.56 do app para Android; eu também estou, mas o botão “Salvar” não aparece para mim.

Em comunicado, o Google diz: “estamos testando o YouTube Go no Brasil com uma amostra limitada. Ainda não há previsão de lançamento”.

Em 2014, o app do YouTube ganhou um modo offline, mas só na Índia. Em 2016, o Google resolveu criar um novo aplicativo do zero, chamado YouTube Go, também para os indianos: ele avisa quantos megabytes serão consumidos ao baixar, ou apenas assistir, cada vídeo; e permite compartilhá-los com usuários nas proximidades sem gastar internet.

Este ano, o YouTube Go entrou em beta público na Play Store, somente para usuários na Índia. Mas ele deve chegar a mais países em breve, pois faz parte do Android Go, versão do sistema operacional para smartphones básicos.

Outros serviços de streaming já permitem baixar vídeos para assistir offline, incluindo Netflix e Amazon Prime Video.

Caso William Wack – O que podemos aprender com isso?

Caso William Wack o que podemos aprender com isso

Imagem: https://economia.uol.com.br/blogs-e-colunas/coluna/reinaldo-polito/2017/11/10/william-waack-suspeita-racismo-conversa-gravacao.htm

 

Caso William Wack: até onde vai o poder de pulverização das redes sociais?

Se você é uma pessoa conectada às redes sociais, provavelmente ouvir falar sobre o caso Wiliam Waack. Envolvido em uma polêmica de cunho racista, o jornalista teve seu nome muito divulgado e falado nos últimos dias. Polêmicas a parte, o que viemos tratar aqui hoje é mais sobre a repercussão do caso em si.

Após seu comentário repercutir e viralizar nas redes, Waack foi afastado de seu cargo como âncora do Jornal da Globo. Além de trazer para si um afastamento, ele também acabou criando uma campanha positiva, indo de encontro ao seu comentário.

Entenda um pouco do caso

Para quem não acompanhou ou não sabe o que aconteceu, nós explicamos. O fato ocorreu quando Waack cobria as eleições dos Estados Unidos, cerca de um ano atrás. Uma gravação, feita antes do programa em que ele estava ir ao ar, mostra o jornalista falando que o barulho causado por pessoas do lado de fora seria “coisa de preto”.

O vídeo foi viralizado, repercutindo negativamente para o jornalista que, por isso, teve seu afastamento anunciado.

Mas e o que temos com isso?

Tudo! Boa parte da “culpa” dessa repercussão toda, foi pelo tanto que o vídeo e comentários a respeito viralizaram na web. Muitos pedindo a demissão do jornalista, o que acabou no resultado de seu afastamento.

Além disso, várias pessoas se manifestaram na Web criando uma hashtag positiva para divulgar o que é, de fato, “coisa de preto”.

Com isso, temos uma ideia de como as redes podem pulverizar uma notícia e, ao mesmo tempo, conseguir trazer algo positivo. Se a união faz a força, qual seria o tamanho da força de uma rede que liga não só uma cidade ou bairro, mas, sim, vários países e municípios de todo o mundo?

Nomes como Nelson Mandela, Michael Jackson, Machado de Assis, Elza Soares, Viola Davis, entre tantos outros nomes conhecidos, foram citados nessa homenagem que invadiu o Twitter na tarde de quinta-feira (9). A hashtag, inclusive, ficou entre os assuntos mais comentados (Trends Topics) da rede social do Brasil e do mundo.

Ou seja: é preciso ter cuidado!

Hoje em dia, as redes estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia. É preciso ter muito cuidado com o que se fala, ainda mais quando se é uma figura pública ou empresa.

Afinal, às vezes, uma coisa que poderia ser facilmente evitada pode te prejudicar por toda uma vida.

Pense nisso!

 

Texto por: Tânia Saad | Equipe CADA Comunicação
Contato: tania.saad@cadacomunicacao.com.br

Live Dupla no Instagram: novas possibilidades!

Entenda como funciona a live dupla no instagram e como aplicá-la na sua empresa.

Foto: Instagram

Saiba como sua empresa pode se aproveitar desta live dupla e como ela funciona

O Instagram lançou essa semana um novo recurso: a live dupla. Com ela, é possível iniciar uma transmissão ao vivo e convidar um amigo ou seguidor de seu perfil para participar. Ao enviar o convite para a outra pessoa, quando ela aceita, a tela se divide em duas e a transmissão ocorre simultaneamente.

Isso vale tanto para perfil pessoal quanto para o empresarial, mas é este segundo que nos interessa aqui.

Esta opção pode ser bem divertida para as pessoas que gostariam de conversar sobre vários assuntos com seus amigos e ver opiniões e interações de outros usuários. Agora, quando falamos de empresa, quais os benefícios deste recurso? E como e onde podemos aplicá-lo?

Veja algumas opções que uma empresa poderia aproveitar desta nova ferramenta

Já pensou um evento de grande porte, onde há o lançamento de um novo produto? Com essa live dupla, você poderá utilizar da transmissão ao vivo em lugares diferentes do mesmo evento. Ou, ainda, conseguirá interagir com alguns usuários ou digital influencers sobre este lançamento, obtendo opiniões em tempo real.

Além disso, é possível fazer lives para interagir o seu público interno com o externo, como sessão de perguntas e respostas entre departamentos ou filiais.

Algumas startups já fazem vídeos apresentando seus colaboradores para o público externo, mas sem essa interação. Neles, ela conta um pouco do que ele faz e, quem sabe, até algumas curiosidades, como hobby, gostos pessoais, entre outros.

Pode ser uma oportunidade para a relação empresa x cliente se estreitar cada vez mais. Não esquecendo, claro, dos benefícios que isso pode trazer para organização, ao conhecer melhor seu público e poder refletir isso em seus produtos e serviços.

E é bem importante ter isso em mente: de nada adianta fazer ações para aproximar seu público, mas não colocar as descobertas que essas ações trouxeram em prática.

Outra forma de poder utilizar essa live dupla é convidar parceiros para esclarecer algum tipo de curiosidade. Ou pegar um responsável por uma determinada área para tirar dúvidas mais comuns que forem identificadas em algum tipo de ação ou pesquisa.

Cuidado: é preciso ter cautela!

Essa opção abre um leque de opções, mas é preciso cautela ao utilizar e, mais importante, é preciso conhecer seu público e ver se ele se interessa por esse ou aquela tipo de ação. Afinal, uma transmissão ao vivo sem expectadores ou com expectadores desinteressados, pode ser um tiro no próprio pé ou não ter o resultado desejado.

Nunca se esqueça que conhecer seu cliente é fundamental para todo e qualquer tipo de ação que se realiza em sua empresa. Seja ela de grande, médio ou pequeno porte.

Com isso em mente, basta deixar a imaginação fluir e aproveitar o que as redes têm a oferecer.


Para ler a matéria completa (em inglês) sobre a novidade, clique aqui

 

Texto por: Tânia Saad | Equipe CADA Comunicação
Contato: tania.saad@cadacomunicacao.com.br

O que faz um promotor técnico e qual sua importância?

O que faz um promotor técnico e qual sua importância?

Confira a relevância desse profissional, inclusive para indústrias que não atuam diretamente com o consumidor final.

O promotor técnico é o profissional que realiza a divulgação de produtos e serviços, especifica e orienta quanto a utilização. Além disso, elabora propostas comerciais e presta suporte técnico aos clientes.

Partes essenciais do trabalho de Trade Marketing, os promotores técnicos têm como objetivo promover e melhorar o desempenho da marca e do produto de determinada empresa. Para isso, ele precisa encontrar maneiras mais atrativas de oferecer a mercadoria ao consumidor, contribuindo para a venda do produto e deixando-o mais próximo da marca que representa.

Diferentemente de um promotor de vendas tradicional, que é o que oferece degustação ou faz reposição em mercados, o promotor técnico tem que estar totalmente por dentro de todas as informações técnicas do produto. Seja para atender diretamente um cliente ou para dar suporte ao vendedor.

Além de desempenhar essas funções, o promotor também é responsável por reportar à indústria algumas informações. Como, por exemplo, o preço e promoções promovidas pelo concorrente, o potencial de venda e pontos de melhorias, resultados de determinada campanha, entre outros. Por meio dessas informações, a indústria tem condições de tomar ações de melhorias, trocas ou ainda interromper alguma campanha. Pode aprimorar os produtos ou embalagem e auxiliar o comercial da empresa a promover mais vendas. É a melhor fonte de pesquisa de mercado, onde a atuação é imediata. O que faz com que os resultados sejam mais positivos.

No mercado B2B (business to business), o promotor técnico é essencial para que a demanda seja gerada à indústria. Um exemplo bem conhecido são os propagandistas, que atuam em consultórios médicos e farmácias para divulgar os produtos do laboratório que representam. Dessa forma, o médico e balconista começam a oferecer determinado produto aos consumidores, gerando venda para a loja (drogaria), distribuidores e própria indústria farmacêutica. Esta última, por sua vez, é quem investe neste serviço de promoção técnica. Sempre pensando em aumento de vendas.

Em vários outros segmentos, além do farmacêutico, podemos oferecer esse serviço de marketing direto com foco real no aumento de vendas. A nossa agência é especialista nesse tipo de ação e garante excelentes resultados, muito mais abrangente e focados que uma propaganda tradicional. Entre em contato conosco e confira!

A importância do site para a sua empresa

 

Hoje em dia, a internet tem se mostrado uma grande parceira dos empresários. Em especial, quando falamos de site empresarial.

Não há como negar que a internet está em expansão ainda no Brasil, porém o número de usuários aumenta a cada ano e, quando falamos de negócio, não dá pra ficar de fora dessa realidade. A internet traz novas opções para quem tem sua empresa e quer ver seu negócio crescer cada vez mais. Com ela, é possível atingir seu público muito mais rapidamente, muito mais focado e com mais assertividade do que como ocorria há alguns anos atrás.

Você não precisa bancar rios de dinheiro para trabalhar com a parte de comunicação e marketing, pois a internet mostra soluções eficazes e baratas, que dá para trabalhar mesmo com um orçamento mais baixo.

Por isso, atualmente, ter o seu site atualizado é muito importante. Da mesma forma, é bom tê-lo pronto para aparecer nas melhores posições do Google, principal site de busca utilizado.

Outra coisa que não podemos esquecer: hoje em dia, a maioria dos usuários de internet a acessam pelo celular. Então, além de tudo que já foi dito, é preciso que seu site esteja otimizado para acessar via mobile (seja celular ou tablet).

A agilidade com que a internet se movimenta, a quantidade de informações que as pessoas recebem diariamente, faz com que essas questões sejam fatos necessários, que estão batendo à porta de seu negócio, mesmo que você ainda não tenha consciência disso.

Por isso, a CADA ressalta a importância de manter seu negócio no ar, seu site atualizado e com todos esses pontos ditos acima em ordem, para que você não perca nenhum possível cliente de vista. Ou, neste caso, do Google.

E, se precisar de ajuda, você pode, sempre, contar com a gente. Estamos aqui para desenvolver uma solução para seu site, com foco nos melhores resultados para seu negócio.

A importância do cliente satisfeito

15 de setembro - Dia do Cliente | Importância de manter o cliente satisfeito

Todos nós sabemos que não há empresa sem cliente. Nem mesmo a lojinha da esquina funciona se não tiver aquele cliente fiel que bate ponto, nem que seja uma vez por mês. E, se essa situação vira rotina, boa parte dos méritos é dada ao ponto principal que qualquer empresa deve focar: satisfação do cliente.

Quando há uma satisfação, o cliente tem prazer em retornar, recomenda e faz questão de dizer o quanto vale a pena comprar daquela empresa. É uma matemática muito simples, sem erro. Há varias pesquisas que confirmam que entre 10 pessoas, um cliente fala mal para 5, enquanto para falar bem, mal chega a 2. Logo, para chegar a conta de 100% de satisfação, tem que ter muito esforço e preparação.

Obviamente, não é algo tão simples assim. Afinal, não é uma tarefa das mais fáceis agradar a todos. Pelo contrário, chega bem próximo da linha do impossível.

Mas é nisso que devemos pensar em cada dia. É preciso se dispor a resolver os problemas e necessidades dos clientes da melhor e mais prática maneira possível. E, por mais difícil e estranho que possa soar, nem sempre é afirmar que o cliente tem sempre razão. É garantir que o cliente esteja indo para o melhor caminho, mesmo que tenha que dizer alguns “nãos”, o ouvir lamentações, mas saber argumentar que determinada opção, pode não ser a melhor para o momento.

É um esforço diário, que deve ser feito com muito cuidado e carinho. Talvez, partindo da premissa principal: não faça com seus clientes o que não gostariam que fizessem com você. Só esse pequeno pensamento já pode trazer muita melhora no atendimento. Afinal, ninguém gosta de ser mal atendido, não é?

E, um bom atendimento é 50% (para alguns, até mais) de garantia de um cliente satisfeito. Alinhado com um produto/serviço de qualidade, é puro sucesso. Afinal, um cliente te procura procurando um produto ou serviço, então não tem como não focar nesse ponto, também.

E a que conclusão que chegamos com isso?

Mais do que ter um cliente satisfeito, você tem um cliente fiel, que, como dito acima, vai indicar sua empresa quando algum amigo pedir uma indicação, que voltará a comprar sempre que precisa de seus produtos ou serviços. E, dessa forma, todos saem ganhando: o cliente, satisfeito com o que foi oferecido, e você, satisfeito com mais uma venda realizada.

 

Texto por: Tânia Saad | Equipe CADA Comunicação
Contato: tania.saad@cadacomunicacao.com.br

Qual o papel das mídias na promoção da igualdade da mulher?

Dia Internacional da Igualdade da Mulher

O Dia Internacional da Igualdade da Mulher marca momentos importantes das mulheres na busca por condições de igualdade entre os gêneros, onde podemos citar como exemplo, principalmente a conquista de direitos na vida profissional e política.

Ao longo desse movimento, que começou há muito tempo, as mídias tiveram um papel importante para disseminar a cultura da igualdade entre gêneros e o combate à violência contra a mulher.

Há poucas décadas, as mulheres não tinham direito ao voto, nem acesso à educação formal, e o mercado de trabalho era resistente à presença feminina. Nosso lugar na sociedade era somente perante o casamento e a maternidade.

Isso sem citar a violência que, de todas as formas de discriminação sofridas pelas mulheres, é a mais agravante, ainda mais num país machista como o Brasil. Como exemplo de conquista, temos a Lei Maria da Penha que está em vigor há 11 anos no Brasil e, a cada dia mais, é utilizada pelas mulheres como forma de defesa e igualdade. Isso conforta a sociedade de maneira positiva, pois a cada nova geração há uma atuação muito melhor que a anterior e tudo o que se espera é que a próxima será ainda melhor do que essa.

Nos últimos tempos, através dos movimentos sociais e da disseminação da importância da Mulher através das mídias, temos experimentado o acesso progressivo à educação, ao mundo do trabalho, ao exercício político e o combate à violência.
As mulheres estão se preparando cada vez mais para o mercado de trabalho e ocupando mais espaços. Aliás, estudos comprovam que as mulheres investem mais em cursos de aprimoramento que os homens! Assim, a desigualdade que ainda está presente em nossa sociedade, vem diminuindo gradativamente.

Com o advento da internet, que globalizou e popularizou as informações, vimos que a causa da igualdade de gêneros deu uma boa avançada. Agora vemos nas diversas mídias sociais, debates e inúmeros grupos que defendem e apoiam os direitos das Mulheres. No mundo atual, tudo é exposto rapidamente.

Nós, da CADA Comunicação, consideramos essa data um momento para refletirmos e levantarmos a nossa “bandeira” contra a desigualdade de gênero! Nossa empresa foi fundada por mulheres que contam com duas sócias e equipe que apoia a luta pela igualdade de gênero e, principalmente, o respeito às mulheres.

E você, o que acha dessa causa? As mídias contribuem para disseminar a igualdade de gêneros?

Queremos ouvir a sua opinião.

A importância da fotografia em nosso mundo – 2 séculos de história!

Dia da Fotografia (19/08) - Você imagina uma vida sem fotografia?

Certamente a invenção da fotografia foi uma das mais importantes para a humanidade. Permitiu o poder de registrar para sempre momentos importantes ficariam guardados apenas na memória.

Fotografia também é arte, forma de expressão. No jornalismo comunica as notícias, nas revistas e livros mostra a personificação e ilustração do que está escrito, na área da publicidade e propaganda faz todo o trabalho de encantamento para a venda, sendo fundamental para compor um determinado material de divulgação.

Você imagina uma vida sem fotografia?

Sem registros da sua infância ou ainda da juventude dos seus pais? Sem os registros que assolam o mundo? Nossa história foi nos contada através de fotos, pensem nisso!

Os anúncios seriam meras figuras antiquadas… Televisão não existiria sem a fotografia, da mesma forma, que a internet poderia não sobreviver sem ela

Uma boa fotografia vale mais que um milhão de palavras… Viva ao dia mundial da fotografia – 19/08.

“Não fazemos uma foto apenas com uma câmara; ao ato de fotografar trazemos todos os livros que lemos, os filmes que vimos, a música que ouvimos, as pessoas que amamos” (Ansel Adams)

A era da TV tradicional está chegando ao fim?

Quem nasceu antes dos anos 2000, sabe que a TV era uma das principais fontes de entretenimento que existia. Você chegava da escola ou do trabalho e uma das primeiras coisas que fazia, era ligar aquele aparelho para assistir aos seus programas favoritos.

Agora, 17 anos depois, a situação mudou um pouco. Com a internet dominando o dia-a-dia, presente no bolso do usuário e com os serviços de streaming de vídeo e áudio bombando, a TV foi deixada um pouco de lado.

O consumo de serviços de streaming, como Netflix, aumentaram em mais de 50% nos últimos anos. O usuário não quer mais ficar atrelado a uma programação pré-estabelecida pelas grandes empresas televisivas. Ele quer ter a opção de assistir ao seu programa preferido quando e onde quiser. Vale lembrar também que boa parte do catálogo de produtos da Netflix, hoje, gira em torno de produções próprias, o que significa que ela virou uma nova TV, mas com a liberdade do usuário poder ver da forma como preferir.

Mas não só de Netflix vive o mercado brasileiro – e mundial – de streaming de vídeo. Muitas outras empresas estão chegando aos poucos e as próprias empresas da TV paga começam a explorar esse outro mercado. Como exemplo, podemos citar a HBO, que, recentemente, passou a oferecer assinatura de seu serviço de streaming (HBO Go) que dá acesso ao conteúdo exclusivo da emissora, inclusive para aqueles que não possuem a assinatura do canal na TV paga.

Houve uma redução considerável do consumo de TV nos últimos anos. Fora que hoje, a TV está disponível, literalmente, na palma da mão. Talvez não a mesma que você teve a oportunidade de ligar no final dos anos 90 ao chegar em casa, mas ela está lá. E está, também, no computador, no tablet, no vídeo game ultramoderno e até na Smart TV.

Com tudo isso, fica a pergunta: a era da TV tradicional está chegando ao fim? Ou será que ela vai se adaptar ao novo? Só nos resta aguardar!

Texto por: Tânia Saad | Equipe CADA Comunicação
Contato: tania.saad@cadacomunicacao.com.br

IAB Brasil reúne anunciantes para discutir o combate à fraude na publicidade digital

O Comitê de Combate à Fraude do IAB Brasil – Interactive Advertising Bureau, instituição que atua para estimular a evolução da publicidade digital no país, reuniu cerca de 30 anunciantes para discutir as boas práticas no combate à fraude na publicidade online e contribuir para o crescimento do investimento de forma consciente. A iniciativa integra as ações estratégicas do Comitê para ampliar o conhecimento do mercado sobre a importância da tomada de medidas de prevenção e de combate a esta situação.

Lucas Nicoliello, mídia da Renault do Brasil, destaca a importância de eventos do tipo: “Acredito que o Comitê de Combate à Fraude traz à tona um tema extremamente importante para os profissionais de publicidade. À medida que a tecnologia avança, abrem-se as portas para lobos em pele de cordeiro. A identificação de problemas como este é de suma importância para a otimização dos esforços dedicados ao meio digital, que deve ser tratado como prioridade por toda a indústria de marketing”.

O destaque do encontro foi a apresentação das boas práticas de combate à fraude, realizada por Páris Piedade Neto, presidente do Comitê de Combate à Fraude e diretor de plataformas tecnológicas da central Globo de mídias digitais, e Rafael Araújo, gerente de produto na Tempest Security Intelligence. Eles falaram a respeito dos principais tipos de fraudes, destacando os mais danosos, que são classificados como SIVT (sigla em inglês de “tráfego inválido sofisticado”). Fazem parte deste grupo situações de difícil identificação, como ad stuffing, em que os anúncios são intencionalmente escondidos, empilhados ou encobertos, com a intenção de inflar suas visualizações; e o uso de bots que infectam computadores e tentam simular o comportamento humano, por meio de requisições de anúncios, sem o controle do usuário.

Cris Camargo, diretora executiva do IAB Brasil também aborda a importância das trocas: “O IAB Brasil é um ambiente seguro e um Fórum de discussão que permite a troca de experiências para a indústria de publicidade digital. Anunciantes, agências e publishers encontram em nossos comitês, em especial no de Combate à Fraude, uma excelente fonte de orientação para a realização de campanhas seguras e bem-sucedidas”.

Os principais tipos de fraudes digitais e detalhes de como se proteger delas estão disponíveis no “Guia de Boas Práticas no Combate à Fraude”, elaborado pelo IAB Brasil, disponível para download que pode ser baixado gratuito neste link. Uma versão resumida do guia, em vídeo, pode ser vista neste link.

 

Fonte: Adnews

Quando um novo logo vira motivo de polêmica

As marcas estão sujeitas a polêmicas mesmo quando se trata de temas específicos como o lançamento de um logo. A discussão recente envolve as gigantes Adidas e a Tesla. A marca esportiva, fundada em 1949, é conhecida por suas tradicionais três listras paralelas, um logo registrado oficialmente em 1990. A empresa entrou com uma ação contra a Tesla, afirmando que o logo do novo Model 3, que também usa três listras, poderia causar confusão entre os consumidores.

Adidas afirmou que logo do novo modelo da Tesla (à direita) poderia confundir seus clientes (crédito: reprodução)

A ação, que foi apresentada em 3 de fevereiro pelos advogados da Adidas na América do Norte no Escritório de Marcas e Patentes dos EUA, já fez com que a Tesla voltasse atrás e anunciasse que mudaria o logo. Ao invés das três listras paralelas será um número três. Segundo Elon Musk, fundador da Tesla, o novo logo não será gráfico, mas numérico.
“O desenho das três listras comum às marcas dos solicitantes se parece com as três listras da marca da Adidas, e pode causar abundante confusão, pode induzir a erro, ser fonte de engano na procedência e patrocínio dos bens da marca”, diz a petição da marca alemã.
Essa não é a primeira vez que as empresas se envolvem em confusão por causa dos seus logos. No começo de janeiro, além de ser duramente criticado por parte dos fãs do futebol, o novo escudo da Juventus, time de futebol italiano, gerou até insinuação de plágio.

Tenista Robin Söderling ironizou o novo logo do time italiano Juventus (crédito: reprodução)

O ex-tenista Robin Söderling publicou uma foto do novo símbolo do clube italiano ao lado de logotipo de sua marca de material esportivo, “RS”, ironizando a semelhança entre as artes.
Em 2015, mesmo antes dos Jogos Olímpicos Rio 2016, o Comitê Organizador da Tokyo 2020 foi também acusado de plágio e teve que mudar o logo da competição. Em setembro de 2015, o desenho criado por Kenjiro Sano foi retirado dos documentos oficiais pelo comitê local por se parecer com o design de Olivier Debie para o Teatro de Liege, na Bélgica.

Marca da Olimpíada de Tokyo 2020 foi acusado de plagiar o Teatro de Liége (crédito: reprodução)

No ano seguinte, após um concurso que envolveu mais de 10 mil projetos, o comitê apresentou um novo desenho que foi escolhido pelo público. O desenho vencedor, do artista local Asao Tokolo, de 49 anos, faz referência ao padrão xadrez “ichimatsu moyo”, criado pelos japoneses durante o período Edo, de 1603 a 1867. A marca, na cor azul indigo, expressa a “refinada elegância e sofisticação japonesa”, de acordo com a descrição do projeto no site dos Jogos.

Novo logo escolhido pelo público para os Jogos Tokyo 2020 (crédito: reprodução)

As polêmicas também atingiram as marcas brasileiras. Na comemoração dos 30 anos do Criança Esperança, em 2015, a Rede Globo de Televisão foi alvo de acusações de plágio pelo novo logo do programa. As reclamações vieram do The New Hampshire, que curiosamente é um museu voltado para as crianças e está situado na cidade de Dover, nos Estados Unidos.

Logo apresentado para a comemoração de 30 anos do Criança Esperança (crédito: reprodução)

Na época, a empresa voltou atrás e disse que o programa continuaria com o logotipo original e que aquela apresentada era apenas uma evolução da anterior, que também era colorida. A emissora também disse que as cores utilizadas fazem referência à logo do canal, que tem as cores do arco íris

Fonte: http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2017/02/14/quando-um-novo-logotipo-vira-motivo-de-polemica.html

O marketing direcionado à geração Z

Comumente concordamos que a modernidade tem alcançado grande influência no comportamento das pessoas, o próprio e-commerce é prova disso. E, diante dessa realidade, surge uma nova geração, a que já nasceu conectada.

Falamos da geração Z, composta por jovens de até 19 anos, que se caracteriza por uma nova geração de consumidores, completamente propensa a negociações virtuais. Eles podem até não consumir seus produtos ainda, mas seu comportamento irá inspirar grandes mudanças no marketing de seu e-commerce em breve, acredite.

Nos EUA, a geração Z já compõe mais de um quarto da população, 25,9%; e no Brasil a tendência de jovens super conectados não está muito distante. Mas, como conquistá-los?

jovem-computador

-Seja “encontrável”: A geração Z sabe onde e como achar informações. Segundo informações do portal Marketo, 52% usam o YouTube para encontrar o que desejam. Nesse sentido, além de boas campanhas de SEO, esteja no YouTube e, trabalhe para despertar a curiosidade deste público.

– Apoie causas sociais: A geração Z deseja fazer a diferença no mundo, sendo eles voluntários (26%) e engajados em causas humanitárias de impacto mundial. Trabalhando a sua marca neste sentido, de apoio a causas sociais, produtos com conotação ambiental e consciência reciclável, a chance de atraí-los aumenta.

– Seja atrativo: A geração Z caracteriza-se por ser multiscreen, ou seja, “telas múltiplas”, dispensando pouca atenção para um único assunto. Este grupo está ligado, inteirado sobre vários temas, e com acesso a dispositivos diferentes. Para conquistá-los, chame a atenção, especialmente, através da comunicação visual com mais imagens e menos texto.

– Aposte em experiência construtiva: Facebook e Instagram são as mídias favoritas deste público. E, nessas mídias, estão à procura de experiências construtivas, que lhe agreguem interatividade, entretenimento e conhecimento. Diante disso, torne seus canais sociais interessantes para a geração Z.

Um e-commerce de sucesso, com visão de crescimento, deve conhecer muito bem o seu público. Se o seu alvo é a geração Z, prepare-se! Eles estão chegando! Boas vendas!


Fonte: http://ecommercenews.com.br/artigos/cases/o-marketing-direcionado-a-geracao-z
Por Felipe Martins

7 características de líderes que apaixonam seus funcionários

Seja um empreendedor que inspira e faça com sua equipe evolua enquanto esteja contigo
amor

Há chefes que apaixonam seus funcionários. Não no sentido da palavra, claro, mas por causa da capacidade que eles têm de motivar sua equipe, reter talentos e ajudar seus empregados a se tornarem melhores pessoas e profissionais.

Uma reportagem, originalmente publicada na “Inc”, mostra as características destes chefes cativantes. Saiba quais são elas e incorpore-as na sua vida:

1. Escutar
Às vezes, dispor de seu tempo para ouvir o que seus comandados têm a dizer é mais importante do que falar as melhores palavras. Dê atenção às queixas, críticas, sugestões e elogios dos empregados.

2. Não ser “estrelinha”
Os empregados gostam de líderes que não se colocam em um pedestal, que são próximos a eles. Seja acessível.

3. Capacitar os outros
Não contrate pessoas apenas para que elas tragam lucros à empresa. Queira, verdadeiramente, que seus colaboradores cresçam pessoal e profissionalmente enquanto estiverem contigo. Dê dicas, ensine coisas e os aconselhe quando achar conveniente.

4. Valorizar os sucessos
Não pense que os empregados estão “apenas fazendo sua obrigação” ao ter um bom desempenho. A falta de valorização desmotiva as pessoas. Celebre o sucesso sempre que possível. Elogie.

5. Delegar
Além de tornar sua vida mais fácil, repassar tarefas aos outros é um sinal de que você confia nos componentes da sua equipe. E demonstrar confiança também motiva as pessoas, de acordo com a matéria.

6. Reagir na hora certa
Bons chefes não fazem julgamentos por impulso. Eles reagem na hora certa. Evite fazer críticas destrutivas publicamente e seja racional antes de tomar decisões difíceis.

7. Admitir seus erros
Líderes são humanos e podem errar como qualquer um. De acordo com o texto da “Inc”, não há problemas em assumir seus erros. Funcionários saberão quando seus líderes estão errados – eles não são burros. Por isso, assumir o deslize soa humilde e realista.

Fonte: http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2016/02/7-caracteristicas-de-lideres-que-apaixonam-seus-funcionarios.html

Importância em investir no Facebook e Whatsapp como meio de divulgação

http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2016/02/02/Facebook-e-WhatsApp-comemoram-resultados.html
whatsapp
Facebook e WhatsApp celebram resultados
Os anúncios gerados em mobile da rede social no ano passado subiram 82% em relação a 2014; WhatsApp chegou a 1 bilhão de usuários

Os resultados de 2015 do Facebook mostram que a publicidade mobile já responde por 80% do faturamento da companhia.
No período, a empresa registrou um aumento 44% em sua receita de US$ 17,9 bilhões. O lucro liquido foi de US$ 3,69 bilhões e o número de usuários terminou em 1,04 bilhão, alta de 17% em relação a dezembro de 2014.
Os acessos móveis da rede cresceram 17% para 934 milhões de usuários gerando tráfego em celulares e tablets. O mobile foi a principal fonte de receita da empresa respondendo por 80% do faturamento e uma alta de 82% em relação a 2014 quando a receita móvel era de 69%.
O êxito do WhatsApp
O aplicativo de mensagens WhatsApp, comprado pelo Facebook em 2014, superou a marca de 1 bilhão de usuários no mundo. A empresa anunciou nesta segunda-feira, 1º, que o número representa uma alta de 11% em relação a setembro do ano passado, quando o WhatsApp comunicou 900 milhões de usuários.
De acordo com um balanço da empresa, são trocadas mais de 40 bilhões de mensagens diariamente. No total, são compartilhadas 1,6 bilhão de fotos, além de 250 milhões de vídeos. São mais de um bilhão de grupos ativos que vão de temas de família a assuntos contemporânos.
O Brasil é o país com o maior número de grupos ativos. “Nos inspiramos na maneira como os brasileiros utilizam o WhatsApp no Brasil”, disse a empresa em comunicado.
No ano passado, o WhatsApp chegou a ficar mais de 12 horas bloqueados pela Justiça.

Leia Mais: http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2016/02/02/Facebook-e-WhatsApp-comemoram-resultados.html#ixzz3z1zornem
Follow us: @meioemensagem on Twitter | Meioemensagem on Facebook

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA

O que fazemos_Produções Audiovisuais SF2
Muito se fala atualmente sobre Comunicação Integrada e sua importância. Em um conceito básico e rápido, podemos dizer que Comunicação Integrada é a forma de empresa se comunicar com seus diversos públicos de uma maneira única, uniforme. A mensagem pode modificar, mas a maneira como esta mensagem deve ser entregue, deverá ser a mesma, tanto para o cliente interno, quanto para o cliente externo.

Mas, afinal, por que uma Comunicação Integrada é importante?

A comunicação em geral, a forma como a empresa se relaciona com seus públicos, pode revelar como a empresa é em sua cultura e valores. Quando a Comunicação Integrada é bem feita, há uma redução nas falhas. Há uma maior transparência nas informações necessárias para os devidos públicos. O colaborador passa a confiar e defender a empresa, pois vê que as informações passadas à eles, também são coerentes ao que se é visto do lado de fora.
De nada adianta uma empresa se esforçar para conseguir atingir seu público externo, se não há uma preocupação com o interno. E vice-versa. A Comunicação Integrada visa trabalhar com todos os públicos e em todas as vertentes da comunicação, seja ela Institucional, Administrativa ou Mercadológica. Dessa forma, todos os públicos são atingidos e recebem a informação de forma padronizada: o que modifica é o conteúdo, mas não a forma como se é passado.
Claro que existem modificações necessárias, mas a integração entre essas comunicações são essenciais para manter a imagem da empresa em alta e muito bem definida. É preciso coerência e, caso as comunicações sejam administradas por departamentos diferentes, adaptações para que todos falem a “mesma língua”.

A Comunicação Integrada está aí para mostrar a todos como sua empresa trabalha. E, como toda boa comunicação, você pode adaptá-la para atingir os objetivos que deseja. Basta coerência com o que se mostra e o que se faz. Afinal, não dá pra ser descolado comunicando, mas conservador administrando. Exatamente por isso, a comunicação deve refletir o que diz sua cultura e seus valores. Não adianta tentar ser o que não se é, independente de qual é o seu objetivo na comunicação.

O que você passa para seu público externo, deve ser repassado, também, ao seu público interno – incluindo, como já foi dito, a maneira como as informações são passadas. Assim, seus colaboradores estarão engajados, dispostos a ouvir e a trabalhar para o desenvolvimento da sua empresa, acreditando no que é dito em cada comunicação realizada. Pense nisso!

Texto escrito por Tânia Saad, da equipe da CADA Comunicação
tania.saad@cadacomunicacao.com.br

COMO FAZER UMA CAMPANHA DE INCENTIVO?

O que fazemos_Promoção SF2Campanhas de incentivo fazem parte do dia-a-dia em vendas. Elas aumentam a motivação dos vendedores para que alcancem melhores resultados.

A maioria dos gerentes utiliza esse conceito, mas muitas vezes, de forma errada ou incompleta. Parte do resultado é alcançado, mas não como poderia/deveria. Saber corretamente o porquê de uma campanha de incentivos e saber gerenciá-la corretamente trará ainda melhores resultados.

Para você ter uma idéia a que ponto uma campanha má preparada pode chegar: no ano passado uma empresa me convidou para fazer a abertura (com uma palestra motivante que abordasse técnicas para vender mais) de uma megacampanha de vendas que estavam lançando. Estavam lá todos os representantes que iriam participar da campanha e o gerente nacional estava no palco, mostrando qual seria o prêmio principal para quem ganhasse: uma viagem de oito dias para Fortaleza, com tudo pago.

De repente um representante levantou. Era o representante do Ceará, querendo saber o que ele ganharia, já que ele já morava em Fortaleza. E o gerente respondeu: “Mas Fulano, nós sabemos que você não vai ganhar mesmo. Para que se preocupar com isso?”

E depois disso me convidam para dar uma palestra motivacional?!!

Fazer uma campanha de incentivos não é assim um trabalho tão fácil. Requer estudo, análise, cuidado, tempo e dedicação. Afinal de contas, aqui está em jogo a sua reputação (frente à equipe de vendas, aos clientes e sócios/diretores da empresa) e o faturamento da empresa. Quer mais motivos do que esses para fazer uma campanha ser bem-sucedida?

Primeiro estabeleça um objetivo

Para que uma campanha de incentivos dê certo, ela precisa de um objetivo muito claro. Você pode escolher incentivar novas vendas, incentivar re-venda para clientes já existentes, incentivar a diminuição do índice de inadimplência, melhorar a rapidez nos processos internos, melhorar as vendas de um determinado produto etc.

O que você espera da equipe e como medirá seus resultados?

Em segundo lugar, você deve definir como medirá os resultados da sua equipe. Você pode medir: quantidade de vendas concluídas; o faturamento gerado; o número de novos clientes; o número de clientes que estavam inativos e foram recuperados; o índice de inadimplência; o prazo de recebimento da venda; o nível de superação de um vendedor (quanto vendeu no mês passado e quanto venderá esse mês) entre muitos outros.

Você pode escolher apenas uma dessas opções ou várias, criando um conjunto de resultados a serem atingidos.

Defina um período de tempo

Vendedores não podem viver constantemente em uma campanha de vendas, senão ela deixa de incentivar. Uma boa campanha tem um dia e hora para começar, bem como para terminar.

Cuidado com o tempo de duração de uma campanha. Se for muito rápida, talvez os vendedores não tenham tempo hábil para atingir os objetivos. Se for muito longa, podem se desmotivar no meio do caminho. O ideal é que você estabeleça esse período de tempo, de acordo com a definição do objetivo principal e metas estabelecidas.

– PUBLICIDADE –
Defina a premiação

Essa é a parte em que todos os vendedores estarão mais interessados: o que vão ganhar em troca pelo esforço “extra” que estarão fazendo? Aqui todo o cuidado é pouco: a premiação tem de motivar – e não desmotivar – os vendedores.

Uma boa maneira de você evitar esse problema é definir a premiação junto com a sua equipe. Converse abertamente com eles e descubra quais são seus maiores desejos: uma viagem? Uma moto? Um aparelho de DVD? Uma máquina digital? Um almoço com a família em um restaurante?

Evite dar dinheiro. Vários estudos compravam que o dinheiro motiva menos que outro tipo de premiação. Você terá ainda de adequar o prêmio ao seu orçamento e aos objetivos da campanha. Por exemplo: se o objetivo final é aumentar o faturamento das vendas, você pode investir um pouco mais, pois saberá que o retorno financeiro é garantido. Se o objetivo for aumentar a satisfação dos clientes (que não traz necessariamente um retorno financeiro imediato), você pode pensar em algo menos custoso, mas que tenha um ótimo impacto – use também a sua criatividade. Por exemplo: o prêmio pode ser almoçar com o dono da empresa; ter um dia de folga, etc.

Controle a campanha

Não adianta criar tudo para que no dia-a-dia não haja controle dos resultados que estão sendo alcançados e de que tipo de assistência a equipe está precisando.

Tome cuidado para que haja esse acompanhamento todos os dias. Não espere passar 15 dias para descobrir que a campanha não está funcionando. Nada descredibiliza mais o gerente do que ficar fazendo campanhas que não vão a lugar algum.

O ideal para controlar é fazer pequenos fechamentos, em menor espaço de tempo. Por exemplo, se uma campanha irá durar seis semanas, faça o fechamento semana a semana. Assim a campanha se mantém viva e motivante para que as metas definidas sejam alcançadas.

Fechamento

No final do período de tempo determinado para a campanha, prepare um

fechamento digno. Não adianta terminar se reunindo com os vendedores num cantinho da sala. Prepare algo especial, avalie a equipe como um todo e premie os vencedores já no dia em que acabar a campanha.

Depois do fechamento oficial com comemoração (comemore!) prepare um material para entregar a cada participante, com a avaliação e resultados individuais de cada um. Agradeça a participação e a dedicação de todos. Um bom fechamento é a chave para que a sua próxima campanha comece bem.

É normal que as vendas diminuam após uma campanha de incentivos. Mas você tem de tomar cuidado para que elas não sejam menores do que eram antes. O ideal é que mesmo com a queda pós-campanha, elas ainda se mantenham em um nível maior do eram.

Normalmente as campanhas de incentivo são realmente muito vantajosas se feitas corretamente. Unindo-as ao treinamento constante, a oferta de suporte e de uma liderança forte e motivante, sua equipe será capaz de alcançar grandes resultados sempre!

fonte: Raúl Candeloro – site administradores.com.br
http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/como-fazer-uma-campanha-de-incentivo/50674/

Marketing de Serviços

Para compreender o Marketing de serviços sugere-se primeiramente conceituar o setor de serviços e sua relação com a evolução econômica dos países.

Kotler define serviço como sendo: “Qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na propriedade de nada. A execução de um serviço pode estar ou não ligada a um produto concreto”. (KOTLER, 2000, p. 448).

Leia Mais