Blog

Últimas Notícias

WhatsApp Marketing: econômico e prático para sua empresa!

WhatsApp Marketing: econômico e prático para sua empresa!

Já pensou em fazer uso do WhatsApp Marketing?

Que o WhatsApp virou o mensageiro queridinho dos brasileiros e das empresas, isso não é novidade pra ninguém. Longe de querermos discutir o que o trouxe até esse patamar, vamos falar um pouco sobre como aproveitar essa ferramenta para seu negócio.

O WhatsApp, assim como o e-mail, é uma ferramenta e tanto para fazer com que seus clientes recebam informativos a respeito de seus produtos ou serviços. Claro, isso tudo se ele autorizar e/ou solicitar o envio. De toda forma, é uma maneira fácil e rápida de contato com seus clientes. Até porque, atualmente, quem não está sempre com o celular no bolso (ou bolsa)?

O WhatsApp Marketing é uma nova forma de interação e divulgação por meio do mensageiro. Por ele, é possível manter um bom relacionamento com seu cliente, ao mesmo tempo em que divulga sua marca e se mantém na cabeça dele.

A probabilidade de ele te procurar quando precisar de algum serviço será muito maior. Afinal, ele já tem seu número ali, literalmente, na palma da mão. E a lembrança fresca de que você está sempre disponível para atendê-lo.

E como aproveitar o mensageiro?!

Existem várias maneiras e possibilidades para uso do Whats como uma ferramenta de negócio. Tanto ele percebeu isso que lançou há pouco tempo o WhatsApp Business, focado para pequenas empresas. Além de usar esse formato do aplicativo, você pode explorar todas as possibilidades que ele possui: imagens, vídeos, áudios, gifs, status e até combinar algumas dessas opções. Para o envio, você pode criar listas de transmissão e enviar aos seus contatos o que escolher, seja uma promoção ou um vídeo explicando alguma coisa interessante de seu negócio.  Mas, importante: as listas de transmissão podem não funcionar se seu contato não tiver seu número cadastrado, então é bom pedir pra ele incluir seu número na agenda dele.

Claro, é preciso ter um limite e cautela. Nem tudo são flores nesse mundo de WhatsApp, então é preciso saber quando parar, também. Se um cliente, por qualquer motivo que seja, pede pra cancelar o envio, é importante cancelar o envio. Imagino que você também não goste de ser importunado quando diz que não quer mais receber alguma coisa, não é?! Funciona da mesma forma por aqui.

Além disso, tome cuidado com a frequência de envios. Receber uma mensagem todo dia de uma empresa é cansativo. Pode , inclusive, ser um motivo para seu cliente pedir para retirar o nome dele de sua  lista de transmissão.

Tudo muito bom e muito bem, mas…

Você já deve ter ouvido falar que, para combater as fake news, o WhatsApp começou a limitar o envio de mensagens. Antes era possível enviar um arquivo (imagem, vídeo, documento, áudio) para 256 contatos de uma só vez. Agora, essa distribuição de mensagens foi limitada para 20 contatos por vez. Isso acaba prejudicando um pouco quem usa a ferramenta para negócios, com envio de informativos , promoções ou até o WhatsApp Marketing.

Porém, o Whats considera as listas de transmissão como um envio, o que pode facilitar para sua empresa, ainda mais se sua lista de contatos não for muito grande.

Mas será que isso é pra minha empresa?

Se essa pergunta estiver passando pela sua cabeça, a resposta é simples: sim! O WhatsApp Marketing, desde que administrado com cuidado, com certeza pode ser pra sua empresa. É uma questão de adaptar e saber desenvolver saídas para utilização do mensageiro.

Lembrando: é importante responder aos seus clientes, também. Afinal, o WhatsApp é via de mão dupla e pede uma resposta quando questionado.

Tomando todos esses cuidados, sabendo aproveitar e conhecendo bem de seu negócio, essa é uma excelente maneira prática e econômica de trabalhar um pouco do marketing de sua empresa.

E saiba que, se precisar, a CADA está aqui para te ajudar com isso!

 

Instagram e suas atualizações: conheçam o IGTV

IGTV: nova ferramenta do Instagram vem para bater de frente com o Youtube. E agora?!

IGTV: nova ferramenta do Instagram vem para bater de frente com o Youtube. E agora?!

Nosso querido Tio Mark não para. Tretou, relou, o Instagram atualizou. Quem está direto no aplicativo sabe que nos últimos dias, ele tem sido atualizado constantemente. Chegamos ao ponto de parar e perguntar: Mark não tem nenhum amigo que diga “vamos dar uma pausa?”.

Bom, se tem ou não esse amigo, não sabemos, mas é fato que há muitas mudanças acontecendo no aplicativo de fotos mais famoso do mundo.  E a mais recente, é o que ele chama de IGTV. A proposta?! Concorrer com o Youtube. Simples, assim.

É possível que você já tenha recebido a atualização do app e a IGTV já esteja aparecendo ao lado das Directs do Instagram (imagem abaixo). Caso ainda não tenha recebido, não se desespere: ela será liberada aos poucos para todos os usuários.

De qualquer forma, hoje vamos falar o que essa nova mudança pode trazer de bom (e, quem sabe, de ruim) para o mundo das redes sociais.

 E agora, Youtube?

Como mencionei acima, o objetivo do IGTV é muito claro: ser concorrente direto do Youtube, da gigante Google. Neste primeiro momento, serão permitidos vídeos de 15 a 10 minutos, podendo, com o passar do uso, chegar a 1 hora de duração.

Muito? Talvez. Resta muito saber como os produtores de conteúdo irão lidar com esse tempo. Afinal, o Youtube também permite vídeos longos, mas são raros os que extrapolam um determinado limite de tempo. Até porque, convenhamos, o mundo anda muito corrido para as pessoas pararem para ver 1 hora de um vídeo qualquer, a menos que seja algo mais focado: série, documentário, curta, entre outros.

Outra coisa a ser destacada no IGTV: o conteúdo dos vídeos é em formato vertical. O que gera outra opção para quem quer produzir conteúdo. Você tem dois formatos (vertical no IGTV e horizontal no Youtube) para explorar. Podendo focar em apenas um ou não.

A verdade é que não dá pra ficar de olhos fechados e ignorar o que essa nova ferramenta traz. Nem as possibilidades que ela pode trazer, tanto para pessoas físicas quanto para marcas.

E, falando em marca…

Já que tocamos no assunto de marca, vamos focar um pouco neste assunto. Uma pequena empresa, principalmente, nem sempre tem uma estrutura grande para poder fazer vídeos bem elaborados no Youtube. Que, aliás, tem se tornado, cada vez mais, uma grande fonte de produções audiovisuais dignas de qualquer programa de TV. Com o conteúdo vertical do IGTV, as opções ampliam para este pequeno empresário, pois ele só precisa do celular para poder gravar um conteúdo para a plataforma.

Por mais que isso possa deixar a plataforma mais informal, não tira o mérito do conteúdo e das possibilidades que podem ser geradas naquele novo espaço. Sendo assim, há muito que se explorar, enquanto empresa, nesta nova ferramenta.

Até mesmo um pessoa que tenha um bom número de seguidores, dá novas opções para ela, um novo tipo de formato e interação com seu público.

E o que vem depois?

Essa é a grande questão: o que virá agora? Qual será a nova atualização do tio Mark que vai movimentar o mundo do social media?! Acredito que muito estejam se perguntando sobre isso. E a resposta só virá, mesmo, com o tempo.

O pouco que sabemos é que a intenção é que os vídeos do IGTV sejam monetizados, assim como no Youtube. O que pode significar uma boa disputa por espaços entre essas duas grandes empresas. E, como representantes do marketing, concordamos que a concorrência tende a ser benéfica para os consumidores. O que nos resta é aguardar e esperar pra ver o que o Youtube fará com relação a tudo isso.

Copa do Mundo: marketing que vem junto!

Copa do Mundo: marketing que vem junto!

Copa do Mundo é quase sinônimo de marketing e propaganda! Que tal falarmos um pouco sobre isso?

A Copa do Mundo está aí. Como é possível ver a cada momento em que se liga a televisão ou acessa as redes sociais. E, com ela, chegam as chuvas de propagandas que acompanham essa que é a maior competição de futebol do planeta.

Sempre que temos uma Copa, uma das poucas certezas que temos além de grandes jogos, é que muitos patrocinadores aparecerão em nossas telas a todo o momento. O marketing durante a copa do mundo movimenta milhões de reais, em vários países. Prova disso é a China, que gastará a maior quantia com publicidade, sendo que o país se quer foi classificado para o mundial.

E tudo isso por quê?! Simples: há um interesse muito grande em telespectadores para assistir a um dos maiores eventos esportivos do mundo. A Copa do Mundo, este ano sendo sediada pela Rússia, movimenta várias marcas, dinheiro e audiência em todo mundo.

O mercado da Copa, assim como o próprio mercado da bola, movimenta uma bolada (com o perdão do trocadilho). Não dá pra ficarmos alheios a esse fato e nem repararmos em cada intervalo e até mesmo durante os jogos, as marcas que ali aparecem como patrocinadores oficiais do evento.

Recursos não faltam para essas propagandas

Jingles, comerciais emotivos, jogadores famosos, pessoas comuns vibrando. São apenas alguns dos recursos que vemos constantemente em propagandas envolvendo a Copa do Mundo. Você, provavelmente, já se pegou cantando alguma música que toca em um comercial de patrocinador oficial seja ele do evento em si ou da Seleção Brasileira.

E a ideia é mesmo essa: fazer aparecer a marca e fixar de alguma forma aquela mensagem ou produto na cabeça do consumidor.

Grandes marcas, até já consolidadas, mantém seu foco em fazer propagandas do tipo que marcam, chamam atenção e ficam na mente do consumidor. Por mais que uma marca já seja conhecida do grande público, nunca é demais marcar presença, ainda mais em eventos deste porte.

Por isso, muitas das marcas que aparecem nos intervalos dos jogos ou até mesmo durante eles, são as mesmas que apareceram na Copa passada. E, provavelmente, serão as que aparecerão na Copa de 2022.

Um ciclo que não fecha

O ciclo do marketing na Copa do Mundo afeta um mercado e público gigantescos, por isso há tanto interesse nas marcas em aproveitar esta oportunidade.

Todo investimento que é feito pelas marcas, é retornado, de alguma forma. Por isso, é um ciclo que não se perde, só se ganha. E é um dos principais motivos que as empresas visam tanto esses 30 segundos de intervalo, além das grandes produções que vemos nesse curto período.

A Copa do Mundo é uma paixão para brasileiros, mas, também  é uma grande alegria para as marcas.

Identidade Visual a seu favor: o poder de uma marca!

Identidade Visual a seu favor: o poder de uma marca

Como fazer com que a sua marca seja reconhecida pela sua identidade visual

Quando você pensa em identidade visual de sua empresa, o que lhe passa em mente? Há muito mais que se preocupar além de cores e disposições em seus folhetos. Uma identidade visual bem estruturada é muito importante para reconhecer sua marca.

Para exemplificar melhor o que queremos dizer, vamos começar com alguns conceitos básicos. Quando falamos em identidade visual, como o próprio nome deve supor, queremos falar sobre identificação. Da mesma forma que possuímos um documento que nos identifica, o mesmo funciona com a identidade visual de sua empresa.

Por conta disso, você precisa contar com um modelo bem estruturado. Afinal, toda identidade é padronizada, mudando apenas os dados, correto? E é esse padrão que irá fixar na mente de seu consumidor, fazendo com que qualquer imagem seja logo identificada e compreendida como de sua empresa.

Para fixar mais, podemos citar um exemplo mais visível, por assim dizer. Vamos ao prático: o famoso “M” do MC Donalds, a fonte utilizada na caligrafia, as cores, tudo isso é facilmente identificado e reconhecido como de uma das principais redes de fast food do mundo.

A ideia da identidade visual é exatamente essa: reconhecer uma empresa ou marca por  algumas imagens.

Cara, crachá?!

Quem vê cara pode não ver coração, mas, com certeza, ainda mais falando em empresas, pode ver muito do que você tem a oferecer. Uma boa apresentação inicial de sua imagem pode ser o que chamará a atenção para seu cliente e fará com que ele o contrate. É bater o olho e identificar que estamos falando da empresa “X”. E saber que o crachá está tão atualizado, que a foto não causa dúvidas aos olhos de ninguém.

Por isso, é importante manter a sinergia de seus produtos visuais. Imagens e vídeos. O logo, o cartão, o site e todo material que você divulgar que leve o nome de sua empresa, precisam estar de acordo entre si.

Desta forma, quanto melhor for sua identidade visual, mais reconhecida sua empresa ficará perante os olhos de seus clientes, parceiros e toda sociedade. E, lembre-se: pode contar com a CADA para te ajudar com isso!

Campanha Promocional: qual sua vantagem e por que usá-la?

Entenda um pouco o que é e como funciona a campanha promocional, além de usá-la da melhor maneira para o seu negócio.

Você já deve ter ouvido esse termo antes: campanha promocional. Talvez tenha passado batido, não tenha prestado muita atenção, mas aí em um determinado momento, seu chefe fala que vocês irão iniciar uma campanha promocional para começar a vender um determinado produto. Aí você pensa “já ouvi esse termo antes, mas o que significa?”.

É um pouco sobre isso que iremos falar hoje.

Campanha promocional, como o nome já sugere, é uma campanha com foco promocional para aumentar as vendas de um determinado produto. Pode ser um produto novo, para o público tomar conhecimento, ou um produto que não tenha muita saída e você queira mudar isso.

Existem vários tipos de campanhas promocionais. No supermercado, por exemplo, você já deve ter visto aquela etiqueta “compre 1, leve 2”. Outro que podemos citar é a que envolve sorteios e prêmios, que também é muito vista, ainda mais em programas de TV. Você compra um determinado produto ou uma quantidade “X” e participa de um sorteio para concorrer a diversos prêmios.

Campanhas promocionais estão em nossa volta, mesmo que não percebamos isso. E uma coisa é certa: ela é uma das principais maneiras de se obter resultados positivos e aumento nas vendas.

Como desenvolver uma boa campanha?

Uma boa campanha depende muito de qual seu objetivo. Aumentar a circulação de um produto no mercado, lançar um produto novo, ampliar as vendas de um determinado segmento de produtos que trabalha. As possibilidades são enormes e você só tem a ganhar.

A principal vantagem desse tipo de ação é exatamente o resultado rápido de retorno nas vendas. Além de aumentar a visibilidade de sua marca e produto para o consumidor final. É algo que agrada a todos: você e seu público alvo.

Para desenvolver uma boa campanha, comece tendo em mente o que citamos no começo deste tópico: seu objetivo. A partir disso, basta criar ações com distribuidores ou direto nos pontos de vendas. Pesquise seu concorrente, saiba o que ele está fazendo, pois isso também pode lhe ajudar a bolar estratégias que te beneficiem. Tenha em mente que seu consumidor final é o responsável pela compra, então ele tem que enxergar que tem alguma vantagem ao adquirir o produto.

Acertando esses pontos, basta começar com as ações. Acompanhando de perto os resultados e, se for preciso, mude. Não há problema nenhum em fazer algo diferente do seu plano inicial, desde que não prejudique ninguém e esteja tudo dentro de sua proposta. Mudar pode ser bom e pode lhe trazer mais resultado quando se é feito com cautela e com um bom embasamento.

Isso realmente me trará algo positivo?

Você pode até achar que isso é um gasto a mais, mas não é. É preciso pensar nesse tipo de campanha como um investimento. Pode acreditar, o retorno é muito maior do que qualquer dinheiro e tempo que você dedique a essas ações.

Se o processo for feito com cuidado, analisando todos os pontos que devem ser considerados para o resultado final, não há como dar errado. Você verá que os números de vendas mostrarão que tudo valeu a pena.

Mais do que isso, poderá chegar a um determinado momento pensando “por que eu não fiz isso antes?”.

Campanha promocional é a certeza mais rápida de aumento de vendas e, se precisar, pode contar com a CADA para isso.

Fake News x Portais Pagos

Fake News x Portais Pagos

Fake news: como é possível combater essa onda de notícias falsas que invadem as redes sociais?!

Se você é uma pessoa que está com certa frequência nas redes sociais, provavelmente já ouviu falar do termo fake news. Como o próprio nome em traduzir diz, o termo trata de “notícias falsas”. Aquela notícia que você recebe que, quando vai ver, não condiz com a realidade.

As redes sociais são consideradas umas das maiores repercussoras das fake news. Com a possibilidade de compartilhamento, elas podem se tornar virais, às vezes até mais que as notícias verdadeiras.

Mas, por que isso acontece? Geralmente, essas notícias são feitas com o intuito de causar algum tipo de identificação, revolta, comoção de um modo geral – seja positiva ou negativa. Esse tipo de reação faz com que haja mais intensidade no compartilhamento. Em resumo, elas são feitas para viralizar.

Outro grande problema encontrado com as fake news é o fato de que muitas pessoas acabam compartilhando essas notícias sem ao menos checar a veracidade das informações. Com isso, temos uma bola de neve, pois mais pessoas recebem a notícia de seus amigos e, como ela é feita para ser viralizada, também a compartilham como uma verdade.

Há uma forma de combate a essas notícias?

Sempre há. O Facebook já tem adotado algumas medidas para reduzir o alcance dessas notícias. O WhatsApp, que também pertence ao grupo do Facebook, anunciou uma nova ferramenta para avisar quando mensagens forem encaminhadas em excesso dentro do app.

Além disso, existem vários portais na internet dedicados a desmentir essas notícias. Uma simples busca no Google já resolve esse problema. Basta digitar algumas palavras chaves e você é direcionado a um link que confirma ou desmente algo que seja divulgado.

É preciso tomar cuidado com o que se divulga pela internet, pois muitas coisas podem tomar proporções gigantescas – mesmo você achando que não. Quem nunca recebeu uma mensagem com a frase “não sei se é verdade, mas resolvi compartilhar”? Ou quem nunca já fez isso? Eu mesma já. Hoje tomo cuidado com cada mensagem recebida pelas redes sociais, em especial aquelas que não contêm o link de origem da matéria.

Em meio a tantos fakes, as news mudam sua postura

Já tem algum tempo que alguns dos grandes portais de notícias (Folha e UOL, por exemplo) começaram a cobrar pelo acesso. Eles te limitam a uma quantidade de matérias que você pode ler durante o mês, se você ultrapassa, terá que pagar para ter acesso.

Essa é uma das formas que os portais arrumaram de, além de conseguir uma renda, combater as notícias falsas que circulam com tanto fervor internet a fora. Acredito, inclusive, que essa seja a tendência daqui pra frente. Voltaremos à época em que só tinha acesso às notícias quem assinava os jornais para receber em sua casa ou acompanhava os telejornais. Agora, para acessar um portal, você precisará pagar, assim, poderá ter mais garantia e confiança no conteúdo apresentado.

Será essa a solução para o problema?

Se isso será o ponto essencial para solucionar o problema, o tempo dirá. Até porque, se hoje, que temos toda informação livre e gratuita (em sua grande maioria), ainda temos grandes problemas com as fake news, como será quando os portais forem pagos?

Até onde este pagamento garantirá a informação verdadeira ou será o principal motivo para aumentar mais ainda as dimensões das falsas?

O jeito é esperar que, mesmo que aos poucos, as pessoas tomem consciência do problema, entendam que divulgar notícias falsas também é crime e que há muito que se perder com esse tipo de informação, se é que podemos chamá-las assim.

Mulheres no Marketing

Mulheres no Marketing: como está o mercado do marketing e da comunicação para elas?

Feminismo. Igualdade. Mulher. Esses assuntos têm estado em muita evidência, principalmente nos últimos tempos. Agora, o que isso realmente significa quando falamos de mulheres no marketing e em todo mercado da comunicação?!

Uma pesquisa feita pelo Meio & Mensagem em 2016, mostra que as mulheres representam apenas 20% no setor criativo das principais agências de publicidade do país. Por mais que a pesquisa tenha mais de 1 ano, isso nos mostra que ainda há muito o que se fazer para melhorar esse número.

Não é incomum ver relatos de mulheres que sofrem algum tipo de preconceito em sua profissão. E isso é um fator que pode ser considerado importante quando falamos de igualdade no trabalho. Em todos os segmentos, há muitos casos de mulheres que não são levadas à sério por seus superiores. Hoje estamos caminhando para uma melhora neste pensamento. Aos poucos, as mulheres estão ganhando novos cargos de liderança e maior confiança nas empresas.

Como fica a mulher no mercado da publicidade

O mundo da Publicidade é majoritariamente dominado por homens. Basta ver os grandes prêmios que são concebidos aos profissionais do mercado. E vale lembrar dos números citados acima.

Porém, da mesma forma que em outros segmentos, a mulher começa a conseguir seu espaço. Quando falamos de Marketing Digital, que é uma área ascendente, é possível ver muita mulher influente. Ainda não é nem perto do que temos no mercado como um todo, mas é um começo. E o melhor: há uma visibilidade e referência nessas mulheres e em seu trabalho.

Se formos considerar que a mulher só teve direito ao voto há menos de 100 anos, cada passo e cada conquista ganha um ponto positivo. Cada nova mulher que assume um cargo de liderança em uma agência ou grande empresa, é algo a se comemorar.

No Dia Internacional da Mulher, mais do que mostrar um pouco de como está o mercado da comunicação e marketing para elas, queremos mostrar a importância deste dia. Ainda há muito que conquistar, só estamos começando, mas é extremamente essencial ter este começo.

Marketing de Conteúdo x Inbound Marketing

Você já ouviu falar de Marketing de Conteúdo? E Inbound Marekting? Sabia que eles têm muitas semelhanças entre si, apesar de não serem a mesma coisa?

Marketing de Conteúdo, Inbound Marketing… Esses nomes parecem estranhos para você? Já ouviu falar, mas não tem ideia do que se trata? Não se preocupe, o nome pode ser complicado, mas o conceito não é tão difícil assim.

Na verdade, o Marketing de Conteúdo é uma das estratégias que podem ser adotadas para realizar o Inbound marketing.

Ambos estão conectados, mas o marketing de conteúdo está dentro do inbound. Ou seja: não se faz uma estratégia de inbound sem o marketing de conteúdo e, quando se faz o marketing de conteúdo, consequentemente, você está aplicando, de certa forma, o inbound.

Ok, mas e o que é Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo?

Difícil de compreender? Calma que a gente explica!

De uma forma simples e bem resumida, podemos falar que o inbound marketing é uma soma de estratégias que fazem com que seu cliente chegue até você, em vez de você ir até ele. É também conhecido como marketing de atração. É preciso gerar um conteúdo atrativo para que seus clientes acabem chegando ao seu blog/site e veja quais tipos de serviços você faz. Para fazer o inbound marketing, você precisa alinhar estratégias de SEO (Search Engine Optimization – calma, falaremos disso em breve!), marketing de conteúdo (olha ele aí!), mídias digitais, Adwords, etc. Além, claro, de criar conteúdo relevante e interessante para que seu público alvo chegue até você.

O Marketing de Conteúdo nada mais é do que esse conteúdo atrativo que você gera. A grande estratégia aqui é trabalhar com conteúdos que sejam de interesse de seu público alvo, para que ele te encontre por meio de ferramentas de busca. Desta forma, você apresenta para seus possíveis clientes, soluções para determinados tipos de problemas, conhecimento dentro de sua área, passando mais confiabilidade e aumentando a possibilidade de se formar uma parceria num futuro próximo.

Por isso dissemos ali em cima que eles estão conectados. Afinal, para atrair seu público, você precisa de um bom conteúdo.

Agora, gostou do assunto e quer se aprofundar um pouco mais sobre o Inbound Marketing?! Clica nesse link aqui que você vai pra um artigo bem completo sobre o assunto!

Se quiser começar a fazer uma estratégia de inbound para sua empresa, a CADA pode ajudar! Fale conosco!

Como fazer uma ação de Trade Marketing eficaz?

Como fazer uma ação de trade marketing eficiente?

Você sabe o que significa trade marketing e como ele pode ajudar seu negócio?

Trade Marketing é uma estratégica adotada dentro do planejamento de Marketing que, de certa forma, aproxima indústria e distribuidor. O foco maior desse tipo de ação é estreitar laços com os seus revendedores para que o resultado chegue ao consumidor final e, claro, gere lucro para ambos os lados.

Junto com o promotor técnico, essencial nesse tipo de ação, o produto é apresentado ao distribuidor. O trade marketing desenvolve inúmeras ações dentro da praça que o produto é vendido, determinando as melhores formas de divulgação, como por exemplo, ações de abordagem dentro da loja, apresentação do produto na prateleira, sinalização com materiais promocionais e elaboração de campanhas promocionais. É um importante elo entre o departamento de marketing e vendas, onde as estratégias são desenvolvidas visando o aumento efetivo nas vendas, dentro do ponto de venda e rede de distribuição.

O responsável pelo trade marketing de seu negócio avalia a concorrência e define o melhor preço a ser adotado para um produto e a estratégia de divulgação no mercado, seguindo a linha qualidade/concorrência/benefícios/divulgação.

Mas, afinal, como isso pode ajudar meu negócio?!

Já ouviu falar daquela história que a empresa precisa ser vista para ser lembrada?! O trade marketing leva seu negócio até o consumidor final utilizando-se de várias ações para que o cliente veja o produto e decida-se por ele. O principal objetivo das ações de trade marketing é criar e fomentar o interesse de compra.

Se aproximando de seu consumidor final, ele será mais procurado e o aumento das vendas vem como consequência. Você trabalhará diretamente na principal fonte de consumo de seu produto. É um retorno praticamente certo.

Dessa forma, o seu produto passa a ser mais lembrado, sua marca ganha reconhecimento do mercado e seu negócio só tende a crescer.

Certo, agora, como fazer uma ação de trade marketing eficaz?

Agora que já conceituamos alguns pontos, vamos ao fato principal deste artigo: afinal, como é possível fazer uma ação de trade marketing eficaz, que me traga os resultados que preciso?

Se o trade marketing é aproximar seu produto do consumidor final, a estratégia inicial é fazer essa aproximação acontecer. Isso pode ser feito de várias formas, mas a mais usada é através de promotores, que apresentam o produto para o seu principal consumidor.

O ideal é começar com promotores em pontos estratégicos, locais onde seu público alvo é mais encontrado. Por exemplo, se você é um produtor local, o ideal é buscar mercados de sua região para apresentar seu produto ao seus vendedores. Um exemplo de um tipo de trade marketing que podemos citar, neste caso, é o feirante. A diferença é que ele não faz nenhum tipo de intermediação de venda do produto, afinal, ele já vende para consumidor final.

Parcerias, apresentações, visitas aos seus distribuidores são algumas outras formas de estratégicas aplicadas ao trade marketing que você pode utilizar com o passar do tempo.

O que você deve manter sempre em mente: o propósito principal do trade marketing é atingir o consumidor final, fazer com que ele conheça seu produto e o tenha sempre em mente quando for comprá-lo.

Dessa forma, há ganhos para todos os lados, pois o consumidor sai satisfeito pelo produto adquirido e seu distribuidor e você aumentam as vendas, como consequência.

Inteligência Artificial: até onde ela pode ir?!

Inteligência Artificial: até onde ela pode ir?

O uso da tecnologia tem nos ajudado muito nos últimos anos, mas, até onde será que ela é capaz de chegar?

A inteligência artificial já é uma realidade que está mais do que batendo em nossa parte, ela já entrou e se acomodou no sofá. Os ChatBots já são utilizado por diversas empresas e estão sendo aperfeiçoados a cada dia que passa.

Diante desse boom dessa tecnologia e de seu aperfeiçoamento diário, fica a pergunta: até onde ela pode ir?

Essa semana a Microsoft anunciou que está desenvolvendo um robô que desenha o que você descreve para ele. De acordo com a informação apresentada, essa tecnologia deverá ser bem útil para pintores e designers de interiores. E, por que não mencionar designer gráfico? Ter alguém que reproduza um desenho que você pensou pode facilitar muito a vida desse pessoal que trabalha com esse tipo de serviço.

Robôs poderão substituir as pessoas?

Isso é uma pergunta que deve ser muito recorrente, ainda mais quando vemos esse tipo de notícia.

Não sabemos até onde pode ir o poder da inteligência artificial (será que um dia ficaremos à mercê das máquinas como diziam os filmes?). A verdade é que ela tem muito pontos positivos que ajudam as pessoas a melhor desenvolver seu trabalho. Até o momento, muito do que ainda vemos nessa tecnologia, envolve ou necessita das mãos humanas para que o processo seja concluído.

É fato que máquinas já substituíram funções antes feitas por humanos, em especial nas fábricas de produção em grande escala. Então essa preocupação faz sentido.

Porém, é importante lembrar que quem alimenta os chatbots são as pessoas. Sem uma base de dados de perguntas e respostas, eles simplesmente não funcionam. No caso citado acima, da Microsoft, quem faz o desenho é a pessoa, ela precisa descrevê-lo para o que computador entenda e reproduza.

Até onde ela poderá chegar?

A inteligência artificial ainda é um terreno que parece ser muito pouco explorado. Com o avanço da tecnologia, a tendência é que ela seja cada vez mais utilizada em nosso dia-a-dia (vide comandos de voz, como a SIRI da Apple).

Acho que o destino final de seu caminho está bem longe de onde estamos hoje. Na verdade, a pergunta que fica é se há um limite para o que ela é capaz de fazer.

A gente só espera não ter que enfrentar uma luta contra as máquinas em um futuro (seja ele próximo ou distante).

Página 1 de 3123